Publicidade
Cotidiano
Notícias

Precisando de um empréstimo? Descubra o grande poder das cooperativas

Cooperados amazonenses em geral tem condições de conseguir empréstimos com juros menores do que na rede bancária 24/12/2015 às 12:52
Show 1
Petrúcio Júnior: “Há esperança de que se possa enfrentar a crise nas cooperativas, onde há menos especulação”
antonio ximenes ---

O Amazonas tem mais de 120 cooperativas que representam cerca de 40 mil pessoas. Dentre elas, nove são de crédito, o que significa que os cooperados amazonenses em geral tem condições de conseguir empréstimos com juros menores que os bancos tradicionais. No cenário da crise econômica que afeta o País no momento e, segundo analistas do mercado financeiro, a recessão deve se prolongar para o próximo ano. O cooperativismo se apresenta como uma alternativa à roda dos juros que pressiona a classe média, e as cooperativas de crédito, por exemplo, se fortalecem pelas suas características de atendimento às categorias.

“Nós realizamos a nossa reunião geral de fim de ano com todas as cooperativas ativas e observamos que existe preocupações no setor, mas, ao mesmo tempo, há esperança de que se possa enfrentar a crise dentro das cooperativas, que é um lugar onde predomina o relacionamento menos especulativo e de resistência às taxas absurdas praticadas pelo mercado”, afirmou o presidente do Sistema OCB-AM, Petrucio Magalhães Júnior.

Com 39 cooperativas agropecuárias, que reúne produtores rurais agropastoris e de pesca que detêm os próprios meios de produção, a OCB-AM está trabalhando para ampliar a sua base de cooperados neste setor e nos demais.

A disponibilidade de recursos no Plano Safra estadual, mais de R$ 350 milhões, ajuda, mas é insuficiente frente aos estragos provocados pelas cheias dos rios e o constante desgaste dos produtores rurais, que, nos últimos anos, enfrentam problemas de falta de capital causados pela perda de safras e pela importação de matérias primas, como a malva e a juta, por exemplo.

Neste ramo, a Índia tem abastecido o mercado nacional, tomando o mercado dos tradicionais juticultores amazonenses de Manacapuru, Parintins e outros municípios do Médio Solimões e do Baixo Amazonas.

Em uma iniciativa em conjunto com a Secretaria de Produção do Estado (Sepror-AM), a OCB-AM vai criar a Central de Cooperativas Agropecuárias em 2016, onde serão comprados insumos, como sementes, fertilizantes, defensivos agrícolas a menores preços, dado que será em grande escala, mas de forma integrada, barateando os custos.

Estratégias de marketing para comercialização dos produtos das cooperativas também serão adotadas conjuntamente. Haverá o beneficiamento de matérias-primas, através de pequenas e médias agroindústrias, com vistas ao fortalecimento da cadeia produtiva das cooperativas, mas em escala industrial para abastecer, inicialmente, o mercado local.

Ampliação

Nesta direção está sendo feito um esforço pela OCB-AM para ampliar os quadros em todas as áreas do cooperativismo: consumo, habitação, crédito, mineração, produção, saúde, trabalho, transporte, turismo e lazer, dentre outras. A linha estratégica básica é ampliar o conceito do cooperativismo em todo o Estado. A formação executiva é fundamental, bem como a criação de novas cooperativas, que obedeçam os princípios universais e legais, como constituir uma sociedade de no mínimo 20 pessoas físicas, com objetivos comuns.

Faturamento

O Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) destaca que em junho de 2015 havia 1.102 cooperativas nesta área e que elas movimentavam valores da ordem de R$ 73 bilhões, o que representa aproximadamente 2,33% do Sistema Financeiro.


Publicidade
Publicidade