Publicidade
Cotidiano
Lavagem de Dinheiro

Suspeito de lavar dinheiro público, prefeito de Envira fica na mira do Poder Judiciário

Juiz de Envira determinou o bloqueio dos bens de Ivon Rates e suspendeu a inauguração de resort pertencente a ele 06/06/2017 às 05:50
Show prefeito
O prefeito Ivon Rates (Pros) é proprietário do Envira Park Show. Foto: Reprodução/Internet
Janaína Andrade Manaus

A Justiça determinou o bloqueio dos bens do prefeito do Município de Envira (a 1.215 quilômetros de Manaus) Ivon Rates (Pros) no valor de R$ 6,9 milhões,  e a suspensão da inauguração do “Envira Park Show”, de propriedade dele, por suspeita de que o empreendimento foi utilizado para lavagem de dinheiro público supostamente desviado de uma licitação para a contratação da agência de viagens “Decolando com Você”, que pertence a Antônio Diego Pinheiro.

Na sexta-feira a noite, com todos os ingressos vendidos e a casa cheia para o show de inauguração do empreendimento do prefeito, que contava com a apresentação do cantor Wanderley Andrade, um oficial de justiça anunciou a medida determinada pelo juiz substituto da Vara Única da comarca de Envira, Ian Andrezzo Dutra.

Segundo informações, Rates ainda tentou transferir para outro local a apresentação do cantor, mas foi novamente impedido por outra decisão judicial. 

A decisão é fruto de uma Ação Civil de Improbidade Administrativa de autoria do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) contra o prefeito Ivon Rates, Raimundo Paulino Teixeira França, Antônio Diego Pinheiro de Souza, a agência de viagens “Decolando com Você”, Fábio Maia Pereira, Jenifer Rezende Patrocínio Maia e “Trevo Turismo”. 

De acordo com o MP-AM, a contratação da Agência “Decolando com Você” foi manipulada pela Prefeitura de Envira de forma a comprometer a igualdade entre os outros concorrentes do processo de licitação, pois o proprietário da agência, Antônio Diego, segundo o MP-AM, “mantém estreita relação com o prefeito”. 

Na ação o MP-AM pediu da Justiça o bloqueio dos bens dos envolvidos, o cancelamento da festa de inauguração e o afastamento de Ivon Rates do cargo e ainda a anulação do procedimento licitatório. Rates possui em seu nome um imóvel no valor de R$ 300 mil e salário de R$ 9 mil, como prefeito. Para o juiz substituto de Envira, o único imóvel do prefeito declarado a Justiça não “guarda harmonia com a nababesca (luxuosa) propriedade” – Envira Park Show.

Na decisão, o juiz negou o pedido para afastar o prefeito, diante da possibilidade do político tentar comprometer a investigação do caso, o que para o magistrado, por hora, não encontra respaldo. Contra a decisão cabe recurso.

Blog - Ivon Rates (Pros) / Prefeito do município de Envira
“Foi uma  estupidez  do juiz (Ian Andrezzo Dutra). Foi um abuso de autoridade tanto do Ministério Público Estadual, que não tinha prova nenhum contra mim, como desse juiz. Eles esperaram dar 23h23minutos da sexta-feira, com a casa lotada, para dar a decisão, sendo que já tinha mais de 30 dias que o evento estava sendo programado. Sou o proprietário do empreendimento e não fui demandado nenhuma vez pelo Ministério Público ou pela Justiça para responder qualquer questionamento. Vou recorrer dessa decisão do juiz. Já tem a minha equipe jurídica que está cuidando disso”, informou o prefeito do de Envira, ontem por meio de ligação telefônica.

Saldo devedor 
Na eleição de 2016, Ivon Rates (Pros), que foi reeleito para a Prefeitura de Envira, declarou a Justiça Eleitoral  despesa de campanha no valor de R$ 86,4 mil, da qual pagou R$ 20,1 mil, restando um saldo devedor de  R$ 66,3 mil.

Publicidade
Publicidade