Publicidade
Cotidiano
INVESTIGAÇÃO

Presidente da Confederação Nacional da Indústria é preso em operação da PF

Medida é para apurar possíveis irregularidades em contratos de R$ 400 milhões com o Ministério do Turismo e Sistema S, diz fonte 19/02/2019 às 17:13
Show cnn f51591e7 8ec3 4ed1 96f5 fe952b94f902
O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, em evento em Brasília 14/03/2013 REUTERS/Ueslei Marcelino
Reuters Brasília/São Paulo

A Polícia Federal prendeu temporariamente o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, no âmbito da operação Fantoche, que apura irregularidades em contratos que somam 400 milhões de reais firmados com o Ministério do Turismo e com o Sistema S, disse uma fonte com conhecimento do assunto.

A PF confirmou que 10 pessoas foram presas na operação, mas não deu detalhes sobre as identidades dos detidos. Em nota, a CNI disse que Andrade está na sede da PF em Brasília para prestar “esclarecimentos”.

“A Confederação Nacional da Indústria (CNI) tem conhecimento de que o presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, está na Polícia Federal, em Brasília, prestando esclarecimentos sobre a operação deflagrada na manhã desta terça-feira”, disse a entidade em nota.

“A CNI não teve acesso à investigação e acredita que tudo será devidamente esclarecido. Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades.”

De acordo com a PF, um grupo de empresas do mesmo núcleo familiar atuou desde 2002 executando contratos firmados por meio de convênios com a pasta e com o Sistema S.

“A atuação do grupo consistia na utilização de entidades de direito privado, sem fins lucrativos, para justificar celebração de contratos e convênios diretos com o ministério e unidades do Sistema S. Tais contratos, em sua maioria, voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e/ou com inexecução parcial, sendo os recursos posteriormente desviados em favor do núcleo empresarial por intermédio de empresas de fachada”, disse a PF.

“Estima-se que o grupo já tenha recebido mais de 400 milhões de reais decorrentes desses contratos”, acrescentou a PF sobre a operação, realizada em parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU).

A corporação disse que 213 agentes foram mobilizados, assim como 8 auditores do TCU, para o cumprimento de 40 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão temporária em Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Alagoas.

Publicidade
Publicidade