Quinta-feira, 18 de Julho de 2019
TRABALHO

Presidente Figueiredo tem maiores salários do Amazonas, aponta IBGE

Média é R$ 230 superior a de Manaus. No interior, Itacoatiara lidera número de empresas e pessoas empregadas



figueiredo_9944F0B4-49D6-4BA2-9D67-485C788DCB68.jpg Foto: Arquivo/AC
26/06/2019 às 20:02

Com salário médio mensal de R$ 3.032,65, Presidente Figueiredo é o município onde as empresas pagam a maior remuneração do Amazonas. A constatação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou nesta quarta-feira (26) o resultado do Cadastro Central de Empresas referente a 2017.

A média da Terra das Cachoeiras é 8% maior que a de Manaus (R$ 2.802,42). A capital tem o 3º maior salário do Estado, ficando atrás também do município de Coari, que tem vencimento médio de R$ 2.827,48. Careiro (R$ 2.038,28) e Rio Preto da Eva (R$ 1.799,68) fecham o Top 5.

Parintins, o segundo município mais populoso do Amazonas, aparece na 14ª posição do ranking, com salário médio de R$ 1.723,89. De acordo com o IBGE, a cidade com a pior média de remuneração mensal é Urucará: R$ 746,28, valor que é 25% menor do que um salário mínimo (R$ 998).

Segundo o IBGE, o Amazonas fechou 2017 com 34.897 unidades locais de empresas e outras organizações ativas. As “unidades locais” são endereços onde a empresa atua, sendo que uma firma pode ter filiais.

Manaus concentra 73% (25.631) das unidades locais do Amazonas. No interior, Itacoatiara é o município com mais empresas. São 938, o que significa dizer que uma em cada dez unidades locais no interior está instalada na Velha Serpa. Com apenas 16 firmas, Caapiranga é a cidade amazonense na lanterna do ranking.


No interior, Presidente Figueiredo é o 13º município com mais empresas. Fonte: IBGE

 

Em comparação com outras unidades da federação, o Amazonas foi a 7ª com menor número de unidades locais. São Paulo lidera a quantidade de empresas (1.678.106) e Roraima (6.831) tem o pior desempenho.

Quando o assunto é pessoal empregado, Itacoatiara também lidera o ranking no interior, tendo encerrado 2017 com 9.932 trabalhadores ocupados em empresas ou organizações. Ipixuna teve a menor quantidade de ocupados: 315. Manaus teve 505.682 do total de 616.563 empregados em unidades locais do Amazonas.

Entre as unidades da federação, São Paulo lidera o número de pessoas ocupadas nas unidades locais: 14.857.396. O Amazonas aparece em 19º lugar e Roraima é lanterna com 109.888 ocupados.

Administração pública paga mais

No Amazonas, o Comércio Varejista possui o maior número de estabelecimentos, segundo o IBGE, somando 37,9% (13.241) do total de unidades locais. A Administração Pública, Defesa e Seguridade Social é a classe que mais ocupa – cerca de 123 mil pessoas (19,9%) – e também a cujos salários e possuem maior participação, com um total de R$ 5,5 bilhões (28,2%) dos R$ 19,6 bi movimentados no Estado.

Receba Novidades

* campo obrigatório
News ac1 be374f19 869d 4b7c b3a2 28dbddae942a
Jornalista de A CRÍTICA

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.