Domingo, 21 de Abril de 2019
publicidade
show_show_1249207.JPG
publicidade
publicidade

LIBERDADE

Presos da Operação Maus Caminhos serão soltos na quarta (30), confirma advogado

Pagamento da fiança seria feito ainda hoje, mas familiares da dupla não conseguiram recolher o dinheiro em agência bancária


29/08/2017 às 20:45

Após conseguirem no Superior Tribunal de Justiça (STJ) uma redução de pelo menos 90% no valor da fiança para responderem em liberdade, os únicos dois presos do processo da Maus Caminhos, o médico e empresário Mouhamad Moustafa e a advogada Priscila Marcolino Coutinho, devem sair da cadeia nesta quarta-feira (30), disse o advogado Ravik Bello Ribeiro.

 Segundo Ravik,  que está acompanhando o caso de Brasília (DF), a ideia inicial era que seus clientes fossem liberados ainda hoje, mas, por conta de contra-tempos, o pagamento da fiança e, por conseguinte, a soltura da dupla teve de ser adiada para amanhã.

"Em Manaus, não conseguiram fazer hoje o recolhimento do dinheiro na agência bancária, que fechava às 14h, mas amanhã isto será feito o mais cedo possível. Acredito que a fiança será paga e eles serão liberados ainda amanhã", disse o advogado.

Entenda o caso

O médico e empresário Mouhamad Moustafa e a advogada Priscila Marcolino Coutinho são acusados de participar de um esquema criminoso que desviou mais de R$ 100 milhões da Saúde no Amazonas, desmantelado em setembro do ano passado pela operação Maus Caminhos.

Até então, o valor da fiança deles havia sido definido em 500 salários mínimos para Mouhamad (R$ 468.500) e 300 salários mínimos para Priscila (R$ 281.100), dentro do habeas corpus já concedido aos dois pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília.

Entretanto, como todos os bens de Mouhamad e de Priscila estão bloqueados pela Justiça desde a deflagração da operação, os dois não tinham dinheiro suficiente para pagar os valores, o que fez com que o advogado deles, Ravik Bello Ribeiro, recorresse ao STJ para tentar reduzi-los. E ele conseguiu.

Na última quinta-feira (24), o ministro do STJ Nefi Cordeiro baixou para 30 salários mínimos os valores das fianças de cada um, o equivalente a R$ 28.110 – menos 94% do valor original da fiança de Mouhamad, ou menos R$ 440.390; e menos 90% da fiança original de Prisicila, menos R$ 252.990.

Atualmente, Mouahmad está preso na carceragem do Comando de Policiamento Especializado (CPE) da Polícia Militar do Amazonas, em Manaus. Caso consiga a liberdade, tanto ele como a advogada Priscila deverão cumprir algumas regras impostas pela Justiça, como uso de tornozeleira eletrônica, proibição de se ausentar de Manaus sem autorização judicial, proibição de manter contato com outros investigados e obrigatoriedade de se recolherem em casa no período noturno, de 18h às 6h.

publicidade
publicidade
Em média, 48% dos presos no Amazonas voltam a cometer crimes, aponta Seap
Justiça decreta mais duas prisões preventivas de réus da Maus Caminhos
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.