Publicidade
Cotidiano
Operação da PF

Prisão de supostos terroristas repercute em jornais europeus, latinos e dos EUA

Jornais da Europa, dos Estados Unidos e da América Latina deram destaque à notícia, que também entrou para o ranking de assuntos mais comentados do Google Trends 21/07/2016 às 17:40 - Atualizado em 21/07/2016 às 17:44
Show jornais internacionais 4
Jornais da Itália, Inglaterra, França, Estados Unidos e Argentina repercutem a prisão de supostos terroristas brasileiros (Reprodução/Internet)
Ansa Brasil Roma

A imprensa internacional repercutiu hoje (21) a prisão de dez brasileiros que planejavam atentado terrorista nos Jogos Olímpicos do Rio. Jornais da Europa, dos Estados Unidos e da América Latina deram destaque à notícia, que também entrou para o ranking de assuntos mais comentados do Google Trends.

Os jornais italianos Corriere della Sera e La Repubblica destacaram o fato de a célula terrorista ser composta por dez membros e de sua atividade constar das redes sociais. “Mesmo sendo uma célula amadora, o grupo se comunicava via WhatsApp e Telegram para organizar um atentando, tentando comprar armas”, publicou o La Repubblica.

A publicação norte-americana The New York Times disse que as prisões desta quinta-feira “aumentam a tensão no Brasil a apenas duas semanas do início dos Jogos Olímpicos”.

A emissora norte-americana CNN colocou uma enorme chamada em seu site e escreveu que o Ministério da Justiça ainda está investigando os celulares e computadores dos dez brasileiros presos. Na Argentina, o jornal La Nacion publicou manchete com a notícia da operação policial no Brasil, mas destacou que a célula detida não havia tido contato direito com o Estado Islâmico.

Já o inglês The Guardian pontuou que a operação ocorreu três dias após a notícia, veiculada pela Ansa, de que um canal na rede social Telegram havia declarado lealdade ao Estado Islâmico.

A edição online do jornal francês Le Figaro também citou a criação do Ansar al-Khilafah Brazil e as mensagens divulgadas pelo grupo no Telegram para incentivar ataques no Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade