Publicidade
Cotidiano
DECISÃO

Professora em licença médica deve receber remuneração integral de salário, decide TJ

Secretaria de Estado de Educação (Seduc) havia cortado gratificação da servidora três meses após ela se afastar de função para tratamento de saúde 08/02/2018 às 13:44
Show professores
A decisão do colegiado acompanhou o voto da desembargadora Maria das Graças Figueueiredo (Foto: Reprodução Internet)
acritica.com* Manaus (AM)

As Câmaras Reunidas do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) concederam segurança a uma professora da rede estadual de ensino do Amazonas para que ela receba integralmente o vencimento e as vantagens do cargo que exerce na Secretaria de Estado da Educação (Seduc) durante período de licença para tratamento de saúde.

A decisão foi unânime, na sessão desta quarta-feira (7), de acordo com o voto da relatora, desembargadora Maria das Graças Pessôa Figueiredo, em consonância com o parecer do Ministério Público.

De acordo com o processo, em julho de 2015 a servidora concursada passou a exercer a função de gestora e a receber uma gratificação no valor de R$ 1.352,00. Em fevereiro de 2017, foi diagnosticada com câncer e precisou entrar em licença médica. Em maio de 2017, teve retirada da remuneração a referida gratificação e determinado o desconto gradual dos valores que recebeu como gratificação durante o período de licença.

Mas, segundo a relatora, a lei nº 1.778/87, que disciplina o magistério na rede estadual de ensino, o professor afastado para tratamento de saúde continuará a receber integralmente o vencimento e as vantagens do cargo. A lei também define que será considerado de efetivo exercício o afastamento do membro do magistério em virtude de “licença, salvo a que determinar a perda do vencimento”.

“Portanto, extrai-se ser devido o pagamento da função de confiança à Impetrante mesmo durante o período de licença para tratamento de saúde, podendo o Estado obviamente nomear outro servidor para o desempenho da mesma função, desde que mantenha o pagamento do valor correspondente à Impetrante”, afirma a desembargadora em seu voto.

*Com informações de assessoria de imprensa 

Publicidade
Publicidade