Publicidade
Cotidiano
Após assembleia

Professores da Ufam aprovam adesão à greve geral de trabalhadores

Suspensão das atividades irá ocorrer no dia 11 de novembro e em outra data a ser definida. Docentes são contra pacote de medidas tomadas pelo Governo Federal 27/10/2016 às 18:36 - Atualizado em 27/10/2016 às 18:37
Show ufam0333
Assembleia geral aconteceu nesta quinta-feira (27) na Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua). Foto: Oswaldo Neto
Oswaldo Neto Manaus

Por ampla maioria, os professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) aderiram à greve geral de várias categorias na tarde desta quinta-feira (27). A paralisação ocorrerá no dia 11 de novembro e em outra data a ser definida. A ação tem o objetivo de chamar a atenção para o pacote de medidas tomadas pelo Governo Federal, que segundo os docentes, tira os direitos dos trabalhadores.

A Assembleia Geral ocorreu na Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua). O evento reuniu professores de diversos setores da universidade, além de universitários de cursos e representantes de entidades.

Após os debates, foi submetida à votação a paralisação das atividades dos docentes no dia 11 de novembro. Nesse dia, estão previstas mobilizações dentro do campus e fora da universidade, além de reuniões com trabalhadores terceirizados.  A segunda data, ainda indefinida, deve acompanhar o dia de votação do PLC 55/2016 (antiga PEC 241), no Senado. A proposta congela as despesas do Governo Federal, com cifras corrigidas pela inflação, por até 20 anos.

A presidente da Adua, Guilhermina Terra, explicou que a greve geral tem um conceito diferente dos últimos movimentos paredistas por ter um significado político. “Se o Brasil inteiro for ter que parar, nós não podemos estabelecer que vai ser por tempo indeterminado. É diferente de greve de categorias. Se for só docentes, seria uma greve por tempo indeterminado até atingir aquela pauta, mas como é greve geral envolvendo toda a categoria de trabalhadores, então não podemos parar o Brasil. O importante é atingir a estrutura política, a economia, para começar a rever as propostas”, declarou.

Publicidade
Publicidade