Publicidade
Cotidiano
Investimento

‘Profissão estudante’: histórias de pessoas que se dedicam integralmente aos estudos

Área acadêmica x mercado de trabalho: os prós e contras de quem decide dar um tempo na carreira para apenas estudar 09/10/2016 às 05:00
Show estudo
Estudantes decidiram não trabalhar para dedicar a carreira acadêmica (Foto: Divulgação)
Rebeca Mota Manaus (AM)

A oportunidade em ter um bom salário e estabilidade financeira atrai pessoas a dedicarem apenas à carreira acadêmica para posteriormente ingressar no mercado de trabalho. Outras pela busca imediata em ter a independência financeira ou por necessidade econômica ingressam no mercado de trabalho depois que se formam ou até mesmo trabalham e estudam.

Seja mestrado, doutorado, MBA, concursos públicos ou até mesmo uma graduação bastante intensiva, conciliar estudos com trabalho para uns é tarefa difícil. Quem opta por focar nos estudos acredita que isto resultará em um melhor desempenho e garantirá uma carreira acadêmica completa.

É o caso da Anny Maiza Brasil, faz mestrado em Biotecnologia na Ufam, graduada em Biomedicina pela Estácio do Amazonas, começou a ter experiência em pesquisa ainda na graduação através dos programas de iniciação científica  e isso despertou o interesse em seguir a carreira da docência partindo para o mestrado.

“O meu dia a dia, não segue uma rotina estabelecida, pois nós precisamos desenvolver um projeto no laboratório, ao qual ganho uma bolsa e cumpro horas na Ufam. Passo o dia inteiro na Universidade, parte do tempo é no mestrado e no outro vou ao laboratório organizar e desenvolver novos experimentos em bancada, escrever o projeto, analisar os resultados, estudar muito e nos manter sempre atualizados”, conta.

Os planos de  Anny é concluir o mestrado, entrar em um programa de doutorado dando continuidade na pesquisa que desenvolve. “Caso eu tenha resultados relevantes pretendo fazer uma especialização e passar em um concurso público para universidade como professora pesquisadora”, enfatiza.

Já a pedagoga Juliana Mota diz que trabalha desde quando cursava o primeiro período da faculdade, sua mãe não trabalhava e era só ela e o irmão que podiam sustentar a casa, mas sempre soube conciliar os dois. 
“Eu traçava prioridades para conseguir estudar e trabalhar ao mesmo tempo, em um turno eu trabalhava e no outro eu estudava e fazia de tudo para conseguir não perder o foco”, conta.

Quando a pedagoga concluiu a graduação foi convidada a trabalhar na prefeitura de Manaus. “As minhas experiências ainda como estagiária me proporcionaram a ser contratada, e com um salário muito bom na época”, conta.

 “Estudar  é algo que nunca vou abandonar de fato, larguei o emprego para estudar intensamente para concursos públicos, como do Tribunal Regional de Trabalho – TRT, e caso eu não passe, tento o Ministério Público do Trabalho ou vai servir para eu aplicar no meu dia a dia de trabalho. É bem possível que a demanda por trabalho no setor público esteja tão grande quanto a que eu encontrei na iniciativa privada. Entretanto, colocando ambos na balança, o concurso público parece trazer as melhores vantagens, então eu resolvi investir.  Eu dedico entre oito a 10 horas de estudos por dia seja com os livros, simulados e o curso online", Paula Torres, advogada e concurseira.

"Normalmente as atividades começam às 7 horas e, às vezes são compostas por evolução dos pacientes internados na enfermaria, atendimento ambulatorial, participação em cirurgias, discussão de casos clínicos, seminários. Apesar de termos um horário pré-estabelecido para o fim do estágio (17 horas ou 19 horas a depender do serviço), normalmente só finalizamos o dia com o término de todas as atividades", Anderson Camargo, estudante de Medicina.

Dicas para quem estuda e trabalha:

1) Estabeleça prioridades: Verifique qual das duas atividades é mais importante agora.

2)Crie uma rotina: Estabeleça horários para estudar e para se dedicar aos projetos profissionais. 

3) Otimize o tempo livre: Sacrifique alguns aspectos da vida pessoal.

4) Use a tecnologia a seu favor: Grave aulas com o celular.

5) Crie grupos de estudos: Um ajuda o outro no sufoco.

Publicidade
Publicidade