Publicidade
Cotidiano
Notícias

Profissionais mostram a realidade do mercado de trabalho aos calouros da Ufam

Profissionais dos três cursos mais disputados no PSC 2015, o vestibular da Ufam, dão dicas sobre o mercado de trabalho aos calouros de Enfermagem - o curso mais concorrido -, Engenharia Civil e Engenharia de Gás e Petróleo 07/01/2015 às 10:04
Show 1
Enfermagem foi o curso mais concorrido do PSC 2015 da Universidade Federal do Amazonas. O mercado apresenta vagas, mas o dinheiro não pode ser a grande motivação de quem faz a graduação, conhecida por ser o ‘trabalho do amor ao próximo’
Cynthia Blink Manaus (AM)

As maiores notas no Processo Seletivo Contínuo (PSC) de 2015, o vestibular por etapas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), foram dos vestibulandos do curso de Medicina, mas foi o curso de Enfermagem o mais concorrido, seguido de Engenharia Civil e Engenharia de Gás e Petróleo. Para conhecer a realidade do mercado de trabalho nesses ramos e reunir dicas para os calouros, A CRÍTICA ouviu profissionais de cada uma dessas áreas.

Enfermagem

Enfermagem foi o curso mais concorrido, fato que não surpreende Maria do Remédio Corrêa Morais, enfermeira obstetra há 19 anos. Ela observou que Enfermagem costuma ser um curso muito concorrido, mas também com um grande índice de desistência por conta das desiluções com a profissão.

“Quem entra pensando em ganhar dinheiro deve desistir”, aconselha a enfermeira, que justifica, “Para ter uma situação financeira estável, o enfermeiro precisa trabalhar em pelo menos dois horários”, alerta.

Ela também afirma que Enfermagem é a profissão do amor ao próximo. “Enfermagem é empatia. Se você não sabe se colocar no lugar do outro, não seja enfermeiro”, diz categórica.

O piso salarial dos enfermeiros é de R$ 3 mil atualmente.

Engenharia civil

Sem vagas na área de Engenharia Civil, o mercado de trabalho em Manaus está saturado e a melhor opção para quem deseja um trabalho nessa área é embarcar para o interior do Amazonas, informa Pedro Henrique Crisóstomo, engenheiro civil.

“Me formei em 2012, na época, eu e oito amigos, que formaram comigo, conseguimos emprego rapidamente. Fomos beneficiados pelo período da Copa do Mundo e de muitas construções em Manaus, mas hoje em dia está bem mais complicado”, avisa.

O engenheiro explica que as pessoas não estão comprando apartamento, e se não há essa procura, não há novas construções. “Antes os apartamentos de um prédio inteiro eram vendidos quando o edifício ainda estava na planta”, lembra.

O piso salarial de um engenheiro civil é de R$ 4 mil.

Eng. de gás e petróleo

Muitas vagas e poucos profissionais, essa é a realidade do mercado para quem concluir os cinco anos do curso de Engenharia de Gás e Petróleo, segundo a estudante Karen Brandão, da segunda turma do curso da Ufam e que atualmente está nos Estados Unidos conhecendo a área petrolífera do País.

“A indústria petrolífera tem muito a oferecer. Aproveitem o momento, qualifiquem-se. Não vão se arrepender. É uma área muito rica”, recomenda a estudante aos calouros do curso.

O piso salarial de um engenheiro de gás e petróleo é de R$ 4 mil.

Publicidade
Publicidade