Publicidade
Cotidiano
UNIVERSIDADE

Programa de Pós-graduação comemora 10 anos com Semana de Antropologia

Evento contará com representantes de universidades da Amazônia brasileira e de importantes instituições de antropologia da Colômbia, do Peru e da Venezuela 18/11/2018 às 19:11
Show capturar 54fb922d 7f1b 404c 9496 3077f4401e0f
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

O aniversário de dez anos do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Amazonas (PPGAS-Ufam) será comemorado com a terceira edição da Semana de Antropologia da universidade. O tema do evento em 2018 será “Antropologia na Pan-Amazônia”. Entre os dias 26 e 30 de novembro serão realizadas mesas-redondas, apresentações de grupos de trabalho e conferências com professores e acadêmicos de diversos estados brasileiros e países. A programação completa está disponível no endereço ppgas.ufam.edu.br.

“É com muita satisfação que celebramos a primeira década do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Ufam. O evento reunirá pessoas que foram fundamentais e que contribuíram para que chegássemos até aqui. Vamos celebrar conquistas e também refletir sobre linhas de pesquisa, políticas afirmativas, inserção social e o perfil e a atuação dos nossos egressos”, comemora o coordenador do programa, Gilton Mendes.

O evento tem o objetivo de fortalecer e ampliar a rede de articulação do PPGAS no eixo Sul-Sul, expressando assim o seu protagonismo e sua centralidade na região Pan-amazônica. Para isso, a III Semana de Antropologia contará com a presença de representantes de todos os programas de pós-graduação e graduação das universidades da Amazônia brasileira e de importantes instituições de antropologia da Colômbia, do Peru e da Venezuela.

Desde 2008, ano do ingresso da primeira turma de mestrado, o PPGAS realizou mais de cem defesas de mestrado e doutorado; acolheu 33 alunos indígenas de diversas etnias através de sua política de ação afirmativa, que teve início em 2010; e passou a adotar vagas reservadas para negros, pardos e deficientes a partir de 2016.

“Esse contingente de antropólogos oriundos do PPGAS tem atuado em diferentes áreas, cumprindo com um de seus principais objetivos, a inserção social”, explica Gilton.

Segundo ele, os egressos do programa estão presentes no mercado de trabalho como professores de antropologia em programas de pós-graduação e graduação, de universidades públicas e privadas; como professores de escolas públicas secundárias; como membros de projetos de pesquisa e extensão; como técnicos e assessores do Distrito Sanitário Especial de Saúde (DSEI) e Fundação Nacional do Índio (Funai); como consultores de organizações do terceiro setor, da sociedade civil ou de empresas, ONGs ambientalistas, indigenistas ou de movimentos sociais.

Além disso, o PPGAS desenvolveu, ao longo desses  anos, uma forte articulação com centros de excelência em antropologia no Brasil e no exterior, expressa por meio de parcerias e convênios, destacando-se, entre eles o INCT Brasil Plural (IBP) em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), os Programas de Cooperação Acadêmica (PROCAD´s – CAPES) estabelecidos com a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a UFSC; o Casadinho com o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (MN/UFRJ); o Programa de Cooperação Internacional CAPES/UDELAR, com a Universidad de la Republica de Uruguai; os recentes convênios com o Instituto de Antropologia Cultural da Universidade de Munique e com a Universidad Nacional de Colombia (UNAL/Instituto IMANI–Sede Amazônia), com quem o PPGAS passou a coeditar a revista Mundo Amazônico.

Publicidade
Publicidade