Publicidade
Cotidiano
RODOVIA

Projeto busca construir estrada para interligar estados do Amazonas e Pará

A “Ponte de Safena”, que ligaria Itacoatiara a Aveiro, passando antes por Urucurituba e Maués, seria uma saída do Amazonas para o resto do Brasil por meio de rodovia 28/11/2017 às 10:43 - Atualizado em 28/11/2017 às 10:49
Show 49
Imagem ilustrativa (Foto: Reprodução/internet)
Geizyara Brandão Manaus (AM)

O projeto “Ponte de Safena”, que prevê uma estrada de 434 quilômetros de extensão e três pontes para ligar por rodovias o Amazonas ao Estado do Pará, onde há saída para o resto do Brasil, já é realidade, pois há forte mobilização pela obra. A informação foi dada pelo idealizador do projeto, Jeovam Barbosa, ontem. “Já existe vontade política, já existe vontade da sociedade, já existe a adesão de três municípios, já existe o nosso sonho de ir e vir”, disse o idealizador.

De acordo com Barbosa, os municípios de Itacoatiara, Urucurituba e Maués, por onde a estrada do “Ponte de Safena” passará, já assinaram um protocolo de intenção para o Consórcio Rodoviário Intermunicipal – em que há a união das prefeituras para a construção da estrada que interliga a rodovia AM-174 a BR-163 (Rodovia Cuiabá-Santarém). “A ideia nasce da dificuldade de nós, no Amazonas, nos interligarmos a outros Estados por rodovias. Começou há oito anos, desde a ideia, agora só falta aprovar e levar adiante”, explicou.

O idealizador explica que o nome do projeto surgiu por conta das estradas BR-319 e BR-230 (Transamazônica), em que circulam, principalmente, veículos de passeio, e as AM-174 e AM-010 são estradas que têm estrutura para receber veículos de carga, assim como a BR-163. “Ponte de Safena é uma realidade do município e Estado, uma necessidade da União”, enfatizou Barbosa, destacando que bancos nacionais e internacionais podem conceder o aporte financeiro necessário.

O projeto que prevê a construção de duas pontes sobre o  rio Amazonas e uma sobre o rio Tapajós foi orçada, inicialmente, em R$ 6 bilhões. Porém, segundo Barbosa, essa quantia pode ser reduzida por ajustes na própria economia do País.

A expectativa de Barbosa é que o projeto possa ter recursos por meio da Lei Orçamentária Anual (LOA) já para o exercício de 2018. Uma  audiência pública sobre o projeto ocorrerá  amanhã na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), com a participação de prefeitos do interior. O encontro foi solicitado pelo deputado Donmarques Mendonça (PSDB). No próximo dia 9, as discussões começam no Pará, com uma audiência pública em Aveiro, que também faz parte do projeto, próximo de Santarém.

Redução dos custos do PIM

Com a interligação física, o comércio da região Norte e do Mercado Comum do Sul (Mercosul) poderão interagir com mais facilidade, além de reduzir em 34% os custos com importação de insumos para o Polo Industrial de Manaus (PIM) e diminuir os valores de produtos que chegam ao Amazonas por conta da complexa logística utilizada.

Em números, seriam R$ 6 bilhões como valor inicial previsto para a construção da estrada com 434 quilômetros de extensão e três pontes para ligar o Amazonas ao Estado do Pará, nas rodovias AM-174 e BR-163 (Cuiabá-Santarém).

Universidade no Alto Solimões

Outro assunto que será debatido amanhã na ALE-AM é a possível criação da Universidade Federal do Alto Solimões e a situação dos núcleos da Universidade do Estado do Amazonas no interior. Os temas serão discutidos durante o I Seminário Amazonense Municipalista (SAM), que reunirá prefeitos e vereadores do interior para expor as necessidades de cada microrregião do Amazonas. 

“É um ponto inicial para que o parlamento do Amazonas possa interagir com os gestores municipais, buscando solução para os problemas comuns dos municípios e ajudando o governo fazendo um tripé entre parlamento, executivo estatual e municipal”, pontuou o autor da propositura, deputado estadual Belarmino Lins (Pros).

Segundo o parlamentar, também será debatido a questão do Instituto de Cooperação Técnica Intermunicipal (Icot). “Não significa explicitamente a necessidade de recriar, mas as funções do Icot poderia ter estudos para a recriação ou alguma secretaria do Governo do Amazonas poderia incorporar essas atribuições. Era um órgão que tinha papel fundamental no desenvolvimento do municipalismo amazonense", explicou.

O SAM contará com palestras ministradas pelos secretários estaduais como Alfredo Paes, da Secretaria de Fazenda (Sefaz), José Augusto Neto da Secretaria de Educação (Seduc), além de deputados.

Publicidade
Publicidade