Publicidade
Cotidiano
Ciência

Projeto de pesquisador da Ufam alcança 1º lugar em concurso de iniciação científica

Gleison Adriano da Silva ganhou com o projeto “Caracterização estrutural, térmica e óptica de sistemas semicondutores Ni-Sb e Sn-Se sintetizados por reação de estado sólido” 26/06/2016 às 17:50 - Atualizado em 26/06/2016 às 22:05
Show 1098901
O pesquisador receberá o prêmio em julho, na Univerisdade Federal Sul da Bahia (UFSB), em Porto Seguro (Foto: Divulgação)
Luana Carvalho Manaus (AM)

Pela primeira vez o Amazonas conquistou o primeiro lugar no 13º Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica, premiação voltada para bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A premiação acontecerá na primeira semana de julho, na Univerisdade Federal Sul da Bahia (UFSB), em Porto Seguro. 

Gleison Adriano da Silva, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), ganhou o primeiro lugar com o projeto “Caracterização estrutural, térmica e óptica de sistemas semicondutores Ni-Sb e Sn-Se sintetizados por reação de estado sólido”, na área de iniciação científica em ciências exatas, da terra e engenharias, orientado pelo professor Sérgio Michielon.

O pesquisador conta que o projeto teve como propósito e objetivo, e com a ajuda da nanotecnologia, formar dois novos nanomateriais termoelétricos de sistemas semicondutores (sólidos de condutividade elétrica) Ni-Sb e Sn-Se produzidos por uma técnica simples, eficiente e sustentável. “Tal desenvolvimento foi condicionado à identificação de materiais de baixo custo e de maior eficiência termoelétrica do que os atualmente disponíveis no mercado, que é um desafio devido à combinação necessária de características conflitantes entre elementos ou compostos”, explicou Gleison.

O pesquisador também explicou que atualmente existe materiais termoelétricos muito eficientes a converter temperatura em energia elétrica, mas a maior parte deles são pouco práticos por serem fabricados à base de materiais raros, dispendiosos, tóxicos ou por ter um processo de síntese caro. “Nossa proposta foi apresentar materiais candidatos inócuo, ou menos tóxicos, e de baixo custo de produção”.

Premiação

“Quando participo destas competições nacionais, eu sempre acredito que vou ganhar, e quando ganho, penso que a excelência está no meu próprio esforço como acadêmico e pesquisador iniciante”, comentou, sobre o primeiro lugar.

Ele disputou com pesquisadores de universidades de todo o Brasil. Os vendedores das seis categorias serão premiados com R$ 7 mil em dinheiro, bolsas de mestrado, passagens aéreas e hospedagem para participar da 68º Reunião Anual da Sociedade Brasileira da Ciência (SBPC). Para avaliação dos trabalhos foram observados os critérios de mérito, relevância e qualidade do relatório final; originalidade e inovação; aplicação prática da pesquisa para a solução de problemas concretos e com resultados finais; e perfil, histórico escolar, atuação e atribuições do bolsista, da perspectiva do orientador.

Estímulo

O prêmio é atribuído anualmente e tem como objetivos contemplar bolsistas de iniciação científica e tecnológica do CNPq que se destacaram durante o ano sob os aspectos de relevância e qualidade do seu relatório final, bem como as instituições participantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic). Participaram dessa edição 167 instituições de ensino e pesquisa.

Publicidade
Publicidade