Publicidade
Cotidiano
CORAÇÕES A MIL

Protesto em Manaus pede renúncia da presidente Dilma e prisão imediata de Lula

Aproximadamente 300 pessoas participaram do protesto na avenida Djalma Batista, no sentido Centro-bairro, na Zona Centro-Sul da capital 17/03/2016 às 22:15
Show bnmbnmbm
Ao todo, 16 movimentos estavam presentes na manifestação, entre eles Amazonas em Ação, Movimento Brasil Livre e Vem Pra Rua (Evandro Seixas)
Rafael Seixas Manaus (AM)

A divulgação de conversas grampeadas entre o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff (PT) somada à suspensão da posse de Lula na chefia da Casa Civil deram mais força aos protestos que acontecem em várias cidades do País. Nesta quinta-feira (17) ocorreram protestos em pelo menos 25 capitais, como Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória, Goiânia, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Salvador, Curitiba, Porto Alegre, Manaus, Florianópolis e Maceió.

Em Manaus, aproximadamente 300 pessoas realizaram hoje, por volta das 18h30, um protesto pacífico na avenida Djalma Batista, no sentido Centro-bairro, na Zona Centro-Sul, pedindo a renúncia da presidente Dilma e a prisão imediata de Lula, devido às denuncias de seu envolvimento nos escândalos de corrupção desvendados pela operação Lava Jato.

Ao todo, 16 movimentos estavam presentes na manifestação, entre eles Amazonas em Ação, Movimento Brasil Livre, Vem Pra Rua, Revoltados On-line e Papo de Direita.

De acordo com Kleber Romão, coordenador estadual do Movimento Brasil Livre, não faltam indícios para a prisão do ex-presidente.

“O processo de impeachment está implementado no Congresso, a comissão foi eleita hoje (ontem) e agora definitivamente o impeachment vai rodar. O Lula não foi nomeado ministro da Casa Civil, porque foi embargada a decisão, e agora pedimos que ele seja preso imediatamente. Há muitos elementos para que isso aconteça. Existe legalidade e materialidade para isso acontecer, então por que ele ainda não foi preso?”, indagou.

“Pedimos que o juiz Sérgio Moro [responsável pelos casos da Operação Lava Jato], o Ministério Público Federal e até o Supremo Tribunal Federal, na figura do ministro Gilmar Mendes, prenda o Lula. Vamos ficar nas ruas até que ele seja preso e ocorra o impeachment da Dilma”, acrescentou Romão, informando que os movimentos estudam realizar protestos diários na capital até atenderam suas reivindicações.

Segundo o militar Juliano Silva Leandro, manifestações desta natureza são importantes para o País. “Vejo que o Brasil está acordando. Isso são coisas que sempre aconteceram, mas que nunca foram tão mostradas pelas mídias como agora. A própria mídia está nos ajudando a entender como tudo funciona no País. É assim que tem que ser para a democracia andar”, declarou.

Agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) e policiais da 22ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) estavam presentes no local da manifestação.

Publicidade
Publicidade