Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
QUESTÃO DE OPINIÃO

Punir filho por fala sobre novo AI-5 é perseguição política, afirma Bolsonaro

O líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP) declarou na última semana que, se houver uma radicalização da esquerda no país, poderia ocorrer um novo AI-5 no Brasil



_109022971_c25fafff-aa0f-450e-b0fe-28fb30b65947.jpg Foto: Joedson Alves/EPA
03/11/2019 às 14:14

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado que seria “perseguição política” uma eventual punição a seu filho, o líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), por ele ter declarado que, se houver uma radicalização da esquerda no país, poderia ocorrer um novo AI-5.

“Só se for perseguição política, não acredito que isso aconteça (punição). Porque abre brecha para você punir qualquer parlamentar por suas opiniões. O parlamentar tem que ter imunidade para defender o que bem entender, e ponto final. Lá na frente, se a população achar que ele não foi bem, não vote mais nele”, afirmou.



O AI-5 foi o mais duro ato institucional editado durante a vigência da ditadura militar, permitindo o fechamento do Congresso Nacional, a cassação de mandatos de parlamentares e a redução de garantias fundamentais.

O presidente reiterou que a Constituição garante aos parlamentares imunidade sobre suas palavras, opiniões e votos e destacou que Eduardo fez uma comparação hipotético com o Chile, país alvo de intensos protestos nos últimos dias. As polêmicas declarações do filho do presidente foram dadas em entrevista ao canal do Youtube da jornalista Leda Nagle.

*Reportagem de Ricardo Brito


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.