Publicidade
Cotidiano
GASTOS

Quase R$ 1 milhão do cotão da CMM e ALE-AM foram gastos nas férias

Todos os 41 vereadores de Manaus e 24 deputados estaduais usaram, em janeiro, a cota para o exercício da atividade parlamentar 03/03/2017 às 11:06 - Atualizado em 03/03/2017 às 11:15
Show 1200582
No período de recesso parlamentar, todos os 24 membros da Assembleia Legislativa lançaram mão da verba destinada a bancar as atividades relativas ao exercício do mandato, assim como os da CMM (Arquivo/AC)
Janaína Andrade Manaus (AM)

Os vereadores de Manaus e os deputados estaduais gastaram durante as férias do mês de janeiro R$ 951,3 mil da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), popularmente conhecida como “Cotão”.

Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), os 41 parlamentares utilizaram no recesso R$ 522,7 mil, enquanto na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), os 24 deputados consumiram R$ 428,5 mil da verba. O levantamento foi feito com base nas planilhas disponíveis nos sites das Casas Legislativas, que detalham quanto e com quais empresas foi gasta a Ceap.

O Cotão na CMM está fixado para esta legislatura em R$ 18 mil mensais e serve para bancar despesas com alimentação, gráficas, combustível, aluguel de automóveis, telefone, entre outros. Até o ano passado cada vereador tinha direito a R$ 14 mil, mas no dia 23 de dezembro do ano passado o valor foi reajustado. O reajuste está sendo questionado no Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) por meio de uma ação de iniciativa popular que pede a suspensão do aumento por desrespeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O vereador Gilmar Nascimento (PSD) lidera o ranking de utilização da Ceap durante o recesso parlamentar, tendo usado R$ 17.996,33 mil. Deste total, R$ 9 mil foi dedicado ao aluguel de automóvel na empresa A Barros de Lima, R$ 7 mil foi para a divulgação da atividade parlamentar, R$ 1 mil com combustível e R$ 996,33 com serviços de telefonia.

Debutando na carreira política, o vereador Mauro Teixeira (PTN) vem em 2° lugar, tendo utilizado R$ 17.968,97, sendo R$ 7,3 mil para divulgação da atividade, R$ 6,9 mil com combustível e R$ 3,7 mil com aluguel de veículo. David Reis (PV) utilizou R$ 17,5 mil do Cotão durante o mês das férias. O vereador foi o terceiro que mais gastou com “divulgação da atividade parlamentar”: R$ 10 mil em 31 dias, só perdendo para os vereadores Plínio Valério (PSDB), Professora Jacqueline (PHS) que gastaram R$ 10,8 mil, cada, e Coronel Gilvandro, que empregou R$ 10,2 mil. Além desse gasto, David usou R$ 7,5 mil para alugar automóvel.

O vereador Roberto Sabino (Pros), em 4° lugar, gastou R$ 17,2 mil com combustível, aluguel de automóvel e divulgação das atividades. O novato Coronel Gilvandro (PTC) usou R$ 10,2 mil com divulgação das atividades e R$ 7 mil com combustível. O vereador Cláudio Proença (PR) utilizou R$ 17,2 mil.

Quatro vereadores utilizaram pouco mais de R$ 16 mil. São eles: Bessa (PHS) e Álvaro Campelo (PP) - R$ 16,5 mil, cada; Professor Samuel (PHS) – R$ 16,4 mil e Sassá da Construção Civil (PT) – R$ 16,2 mil.

Outros quatro ficaram na faixa de gastos de R$ 15 mil: Sargento Bentes (PR) – R$ 15,6 mil; Ewerton Wanderley (PPL) – R$ 15,5 mil; Professor Fransuá (PV) – R$ 15,1 mil e Plínio Valério (PSDB) – R$ 15 mil.

A vereadora Professora Jacqueline (PHS) gastou R$ 14,8 mil; Hiram Nicolau (PSD) e Rosivaldo Cordovil (PTN) usaram R$ 14,4 mil. O vereador Carlos Portta utilizou R$ 14,3 mil e o presidente da CMM, vereador Wilker Barreto (PHS) usou R$ 14 mil.

Deputados utilizaram a verba

Dos R$ 553,3 mil disponibilizados pela Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) por meio da Cota para o exercício da atividade parlamentar (Ceap) para os 24 membros da Casa, 77% foram utilizados durante o mês de janeiro, período de recesso dos deputados.

Ao todo foram gastos R$ 428,5 mil, restando, para os meses seguintes, o saldo de R$ 120,4 mil. Para a maioria dos parlamentares foi creditada, nesse mês, R$ 23,1 mil de Ceap, para custear despesas de transporte, divulgação das atividades relacionadas ao mandato, consultoria jurídica e outros serviços. Ao deputado Luiz Castro (Rede), contudo, o valor disponibilizado foi de R$ 21,4 mil, segundo relatório da ALE-AM.

Os deputados Adjuto Afonso (PDT) e Plantiny Soares (DEM) gastaram toda a verba creditada. Os que menos fizeram uso do cotão em janeiro foram os deputados Sinésio Campos (PT) com R$ 9,056 mil e Ricardo Nicolau (PSD) com R$ 9,5 mil.

Personagem: Vereador pelo PRB, João Luiz

‘Esse valor é necessário para fazer o nosso trabalho’

O vereador João Luiz (PRB), que em seu primeiro mês do mandato aparece como o que menos gastou a Ceap, justificou o resultado afirmando que as despesas foram pequenas, pois ainda estava “organizando o gabinete”, mas adiantou que nos próximos meses essas despesas irão “crescer”.

“Esse valor (R$ 18 mil ) é necessário para que possamos fazer o nosso trabalho, que não se restringe ao plenário ou ao gabinete. Precisamos andar por Manaus, mas como nesse início de ano nós estávamos montando a nossa equipe de gabinete o gasto foi esse - R$ 2,6 mil, mas esse gasto vai crescer agora porque a assistência as pessoas precisa ser dada”, justificou o parlamentar que está em seu primeiro mandato.

João Luiz disse ainda que irá se organizar para “trabalhar sem extrapolar” os gastos do Cotão. “O nosso gabinete será itinerante. Então vamos percorrer os bairros de Manaus e isso demanda gastos. Mas eu costumo almoçar em casa ou trago a minha comida, busco economizar. Agora cada um sabe das suas necessidades e no que irá empregar a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar”, avaliou o vereador João Luiz, do PRB.

Blog: Gilmar Nascimento, Vereador pelo PSD e primeiro no ranking de gastos da Ceap em janeiro

“A minha atividade parlamentar não está atrelada somente ao plenário. Então é plenamente justificável esse gasto, já que no período de recesso eu não viajo e é quando eu e o meu gabinete mais trabalhamos. É no mês de janeiro que organizamos nossa agenda. Então visitei diversos hospitais estaduais e municipais. Estive nas comunidades onde as principais reclamações foram referentes a buracos e podagem de árvores. O meu gabinete não para um dia e no recesso esteve aberto todos os dias. Quando tem plenário eu tenho aquele horário que preciso estar na Casa, mas quando não tem plenário eu estou visitando hospitais, faço parte da Comissão de Saúde. Estive em praticamente todos os pronto-socorros da cidade de Manaus. Nesses locais nós coletamos todo tipo de demanda, desde a demora para realização de exames, atendimento, filas de espera, agendamento de consultas. A gente não pára. As pessoas confundem o recesso com período para ficar parado, e é o contrário. No recesso é quando mais trabalhamos e teve dias em que trabalhamos até as 23h. Em janeiro só não teve atividade em plenário, mas o gabinete funcionou”.

Publicidade
Publicidade