Publicidade
Cotidiano
Notícias

‘Que país é esse?’ Nova fase da Lava Jato é batizada com frase de ex-diretor da Petrobras

Foi assim que Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, se manifestou ao ser preso pela primeira vez em novembro do ano passado 16/03/2015 às 15:29
Show 1
Ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque
Andre Richter (Agência Brasil) Brasília

A décima fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta segunda-feira (16) pela Polícia Federal (PF), foi batizada pelos delegados com a indagação: “Que país é esse?”. Foi assim que o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque se manifestou ao ser preso pela primeira vez em novembro do ano passado.

Durante o cumprimento do mandado de prisão, Duque disse ao seu advogado que foi informado pelos agentes da PF que seria transferido do Rio de Janeiro, onde mora, para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Ao receber a confirmação, o ex-diretor reagiu: “O que é isso? Que país é esse?”. O diálogo foi captado por meio de uma escuta telefônica feita pelos policiais.

O ex-diretor voltou a ser preso desta segunda-feira (16) pela Polícia Federal no Rio de Janeiro e será transferido mais uma vez para a carceragem da PF em Curitiba, onde estão presos outros investigados na operação.

A prisão de Renato Duque foi decretada pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, responsável pela investigação na primeira instância.

Segundo Moro, mesmo após a deflagração da Operação Lava Jato, o ex-diretor continuou cometendo crime de lavagem de dinheiro, ocultando os valores oriundos de propina em contas secretas no exterior, por meio de empresas offshore.

Para o juiz, os 20 milhões de euros que foram bloqueados em bancos na Suíça e em Mônaco não são compatíveis com a renda do acusado.

A defesa de Renato Duque nega que o ex-diretor tenha contas secretas no exterior e que tenha recebido propina enquanto ocupou a Diretoria de Serviços na Petrobras.

Publicidade
Publicidade