Sábado, 25 de Janeiro de 2020
Notícias

‘Quem pela primeira vez fez ação conjunta fui eu’, diz Eduardo Braga em entrevista

Candidato do PMDB ao Governo aponta problemas na administração atual, do seu ex-aliado José Melo, e afirma que, em sua gestão no Estado, parceria com a prefeitura de Manaus só não sai se prefeito não quiser



1.gif Senador Eduardo Braga (PMDB)
17/08/2014 às 15:28

Dono de dois mandatos no Governo do Estado, o senador Eduardo Braga (PMDB) quer voltar a sentar na cadeira que deixou há quatro anos nas mãos dos agora adversários na disputa – José Melo (Pros) e Omar Aziz (PSD).

Líder das pesquisas de intenção de votos, o candidato critica a atual administração estadual, afirma que não guarda mágoa do rompimento dos seus sucessores, mas dispara críticas à atual gestão estadual. Eduardo Braga defende a volta de programas criados na gestão dele e apresenta propostas. Confira a seguir trechos da entrevista.



O senhor ainda tem quatro anos de mandato como senador. Em uma eventual vitória sua, o Amazonas vai ficar sem representante do Estado no Senado?

Não. Minha esposa (Sandra Braga) é minha suplente. Ela é super identificada com meu projeto político, com o projeto do Amazonas. É uma pessoa que conhece profundamente os problemas e os programas do Estado. Meu braço direito a vida inteira, sempre foi parceira. É maldade quererem subestimar o valor da Sandra como militante política.

O prefeito Artur Neto sugere que, se o senhor ganhar, Prefeitura de Manaus e Governo do Estado não irão se entender. É possível?

Quem pela primeira vez fez ação conjunta entre governo e prefeitura no Amazonas fui eu e o Amazonino, quando eu era prefeito e ele governador. Depois, quando fui governador, ofereci a parceria a todos os prefeitos com quem convivi. Alguns não quiseram, outros sim. O meu compromisso é com o trabalho.

Qual será a tônica desse mandato?

Trabalho.

Grandes obras?

Não só grandes obras. O meu governo não foi marcado só por grandes obras, foi marcado por importantes projetos sociais. Fizemos uma revolução na educação com o Reescrevendo o Futuro, com o mediado tecnológico, biblioteca e laboratórios de informática em todas as escolas, Jovem Cidadão, o Bolsa Floresta, Amigos da Saúde, Doutores da Alegria, assistentes e psicólogos nas delegacias. Tudo isso são programas sociais intensos.

Os produtores rurais reclamam das condições das estradas vicinais. O governo faz reparos, mas que não duram. Por que isso não é resolvido?

Primeiro, porque nós estamos na Amazônia e o clima é adverso, temos enchentes, muita chuva e isso é um desafio. Agora, a presidenta Dilma (Rousseff-PT) fez um esforço e entregou para cada município uma retroescavadeira, uma patrol (máquina motoniveladora), caçamba e esses equipamentos visam criar uma política de manutenção das estradas vicinais. Mas, esses equipamentos estão parados no interior porque o Governo do Estado não fez nenhuma parceria com os municípios para transformar essa ação do Governo Federal em efetiva. Nós queremos asfaltar algumas estradas principais e os ramais mais produtivos, dentro do que é plausível no horizonte de quatro anos.

O senhor ainda acredita que o modelo Zona Franca Verde é uma alternativa à Zona Franca de Manaus?

Continuo acreditando. A Zona Franca de Manaus tem 47 anos. O Zona Franca Verde durou sete enquanto estive no governo, depois eles acabaram e não criaram nenhuma política para o setor primário. Em um projeto desse, o tempo de maturação não são sete anos. A primeira meta do Zona Franca Verde será realinhar o orçamento do sistema de produção. Eu, quando governador, recriei a Sepror (Secretaria de Produção Rural), implantei o Idam (Instituto de Desenvolvimento) em todo Estado . Temos como meta dos quatro anos chegar a 2%, 2,5% do orçamento para o setor primário. Hoje, se gasta 0,7% da receita do Estado.

Quanto a ganhar dinheiro com a floresta em pé, com fundos internacionais, o senhor ainda acredita?

Acredito e digo mais: se não fosse a floresta em pé, nós não teríamos prorrogado a Zona Franca de Manaus por mais 50 anos. Se não fosse assim, não teríamos feito a Zona Franca ser reconhecida como o maior projeto de compensação ambiental que o Brasil tem. Quando a União Europeia quis questionar os benefícios, a presidenta Dilma foi à Europa e disse: ‘como é que nós podemos conservar a floresta se não dermos incentivos a Zona Franca?’. Só por isso já seria importante a questão da floresta em pé.

O senhor se sente traído pelo governador José Melo e pelo ex-governador Omar Aziz? Afinal, o senhor ajudou a elegê-los enquanto o PT nacional pressionava por apoio à candidatura de Alfredo Nascimento.

Quanto ao Omar e o Melo, eu já entreguei nas mãos de Deus.

Não guarda mágoa?

Deus haverá de prover.

Essa semana, o governador fez um gesto de aproximação à presidente Dilma, ao dizer que nunca se comprometeu com a candidatura de Aécio Neves. Como o senhor vê isso?

Isso não é gesto de aproximação. É o famoso faz me rir. Ele diz isso e pega os prefeitos que persegue, influencia e trata no cabresto. Coloca numa sala e não aparece, manda seu candidato a vice para, junto com o Aécio, assinarem um termo de apoio. Esse é o jogo da malandragem. Eu defendo a Dilma porque eu acredito no projeto da Dilma. Eu não defendo a Dilma porque estou interessado em me aproveitar da imagem da Dilma no Amazonas.

E quanto ao Ronda no Bairro, que o senhor já disse ser boa ideia...?

É uma boa ideia mal gerida. Sabemos das denúncias de estupro em viaturas, da corrupção. É óbvio que não são todos, a maioria é de bons policiais. Mas, não há uma gestão eficiente. Não há disciplina e hierarquia que possa dar tranquilidade à população. E tem mais. Hoje, com o contrato com essa empresa Delta, que é uma empresa cheia de escândalos no Brasil, o que tem de carro rodando não é nem a metade do que pagamos todos os meses. Portanto, é uma boa ideia que na prática está funcionando mal. Precisamos voltar a ter uma polícia que tenha hierarquia, funcionamento claro, tropa orientada corretamente. Não dá para tenente coronel mandar em coronel. Não dá para relação familiar de tenente coronel com o governador alterar a hierarquia dentro da PM.

E o que o senhor pretende fazer para mudar?

O Ronda precisa de readequação tecnológica. Tem que haver interatividade com a comunidade. Se perderam no meio do projeto. Houve uma perda na gestão e nos princípios do projeto. A corregedoria da PM tem que funcionar. Há uma acomodação do governo. Tem secretários que vão fazer 30 anos em secretarias.

Que critérios o senhor vai adotar para a escolha dos secretários dessa gestão?

Critérios técnicos.

Sai todo mundo que está no governo?

Não que saia todo mundo. Há pessoas de valor. Agora, não dá para manter a situação como está em determinados órgãos. É preciso dar uma chacoalhada para que haja uma renovação. Dar oportunidade aos jovens talentos, que podem ter um espaço na vida pública.

Quando apresentou o seu plano de governo, o senhor disse que vai trazer à pauta a construção do monotrilho. Essa é a melhor alternativa para a mobilidade?

Vou trazer à pauta a mobilidade e também o monotrilho. Com isso, não quero dizer que o monotrilho é a única solução. Mas, aqueles que dizem que o monotrilho não é a melhor solução tem que apresentar a melhor. Ninguém apresenta nada e faz nada pela mobilidade e pelo transporte público. Eu quero ajudar a resolver esses problemas. Precisamos reduzir o tempo que as pessoas passam para se deslocar. Isso melhora a qualidade de vida e até dá mais competitividade à cidade.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.