Publicidade
Cotidiano
FUNDEB

Em Manacapuru, segunda cota do abono será paga aos professores no dia 10

Cada professor efetivo do município de Manacapuru receberá R$ 2,5 mil 16/11/2017 às 07:43
Show pol051601 p01
Prefeito Beto D'Ângelo informou que cerca de 840 professores serão beneficiados com a segunda parcela do abono do Fundeb
Camila Pereira Manaus

Enquanto a Prefeitura de Manaus decidiu que não pagará abono para os professores com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb), o município de Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus),  se prepara para pagar no dia 10 de dezembro a segunda e última parcela do benefício  aos professores e pedagogos. 

Em outubro, foi depositada a primeira parcela do abono para os professores da rede municipal de ensino de Manacapuru. Cada um dos profissionais recebeu  R$ 2,5 mil. Para os temporários, o valor pago foi de R$ 1,4 mil.  Manacapuru ganhou, em julho, R$ 7,8 milhões referentes à sobras do Fundeb de 2016. 

De acordo com o prefeito Beto Dangelo (Pros), mais de 840 professores serão beneficiados. “Vemos com bons olhos essa bonificação, porque além de ser um direito dos educadores é uma forma de aquecer a economia local. Nós estamos fazendo a nossa parte, cumprindo esse pagamento”, afirmou.

Ainda segundo Dangelo, já estão previstos os pagamentos do restante do 13º salário para o dia 20 de dezembro, sendo que a primeira parcela foi paga em julho para o funcionalismo público. 

Em Manaus 

Para a capital amazonense, a União repassou R$ 109 milhões de sobras do Fundeb relativas  ano de 2016. Segundo professores que participam de movimentos organizados e têm realizado uma série de manifestações, falta transparência na aplicação deste recurso.

“Ao invés de repassar os recursos como está acontecendo em vários municípios do País, a prefeitura recebeu e não repassou. As prefeituras estão recebendo essa verba, que não foi repassada no período adequado e que acabou se tornando uma sobra”, afirmou o professor Jonas Araújo, que coordena a mobilização de professores em Manaus. “Manacapuru está de parabéns, acredito que é dessa forma que se faz uma administração transparente, dialogada”, disse o professor.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou que a prefeitura decidiu não fazer o pagamento de abono por entender a concessão não representaria ganhos reais aos professores da Semed. “Em contrapartida, os recursos foram utilizados para a concessão de progressões salariais por titularidade, tempo de serviço e reenquadramento para professores e servidores administrativos, valores que serão incorporados nas aposentadorias dos profissionais. Já foram pagas mais de nove mil progressões e, até o final do ano, outras 1.400 devem ser publicadas no Diário Oficinal do Município”.
 

Professores vão ao TCE-AM

Um grupo de professores e pedagogos da rede municipal de ensino irá protocolar uma representação, para que o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) realize auditorias nos recursos complementares do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A informação foi dada pelo professor Jonas Araújo. 

Na semana passada, o deputado José Ricardo (PT), o vereador Chico Preto (PMN) e os ex-vereadores Bibiano Garcia (PT) e Waldemir José (PT) entraram com uma representação para que também houvesse essa inspeção nos municípios do Amazonas. A prefeitura se colocou à disposição para responder a todo e qualquer questionamento dos órgãos fiscalizadores.

“Nós iremos entrar com essa representação como movimento. Cada proposta tem um perfil e faremos a pressão para que os dois caminhem. Estamos programando, ainda, para fazer uma visita ao TCE-AM para conversar sobre o processo”, afirmou o professor Jonas Araújo.

Ao todo, o governo federal encaminhou ao Amazonas mais de R$ 530 milhões de recursos complementares desse fundo, referente ao ano de 2016, um valor extra, sendo mais de R$ 236 milhões somente para o governo, R$ 109 milhões para a Prefeitura de Manaus e mais de R$ 185 milhões distribuídos entre os outros 61 municípios.
 

Publicidade
Publicidade