Publicidade
Cotidiano
NOVO AIRÃO

Lama invade igarapés da AM-352 e donos de balneários culpam viveiro de pirarucu

A maior preocupação dos moradores é que toda a poluição vá parar no rio Miriti, já que ele é responsável por abastecer cerca de 60% da população de Manacapuru 15/11/2017 às 05:30
Show igara
Mudança de cor e mal cheiro iniciaram há cerca de duas semanas. Foto: Érisson Araújo/TV A Crítica
Danilo Alves Manaus (AM)

Moradores e proprietários de sítios e balneários localizados na rodovia AM-352, que liga o município de Manacapuru ao de Novo Airão (distante 115 quilômetros  de Manaus), denunciam a poluição de vários igarapés que existem no trajeto da estrada até a cidade.

Aos 69 anos a empresária Doraci Athayde tem ficado no prejuízo pelo segundo ano seguido. Ela contou que os últimos dias foram difíceis para lucrar no balneário que é a proprietária, localizado quilômetro 14.

‘Mal cheirosa’

A água do igarapé foi tomada por lama “mal-cheirosa” vinda de um viveiro de pirarucu no km 17 da rodovia e que está passando por um processo de despesca. De acordo com ela, toda a água dos tanques foi despejada nos igarapés.

“Desde o ano passado isso já acontece com os moradores daqui. A lama, que exala um odor horrível, afasta os clientes. Nós ficamos no por prejuízo muito tempo. Houve uma fiscalização há um tempo, mas depois o problema retornou”, disse.

A maior preocupação dos moradores é que toda a poluição vá parar no rio Miriti, já que ele é responsável por abastecer cerca de 60% da população de Manacapuru, conforme portal da transparência do município.

“Há cerca de duas semanas a água inesperadamente mudou de cor. Todos os igarapés a partir do quilômetro  11 da estrada. Tenho certeza que as coisas podem piorar, caso providências urgentes não sejam tomadas”, alertou a empresária.

Fiscalização

De acordo com Gilmara Maciel, secretária de Administração e também Meio Ambiente do município de  Manacapuru, fiscais visitaram o viveiro na manhã de ontem, no entanto ainda é cedo para dizer o que está causando o problema.

“Caso seja o viveiro, o dono será notificado e nós vamos passar a demanda para o Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas (Ipaam), que deve aplicar multas e outras penas para o administrador desse local”, disse ela.

Conforme informou ontem o  Ipaam, a denúncia será apurada pela Gerência de Fiscalização para adoção das providências cabíveis. A mudança da água causada por barro, conforme o relato é um fato novo que será devidamente fiscalizado.

Alguns moradores informaram, ainda, que o proprietário do viveiro seria o deputado estadual Orlando Cidade (Podemos). A assessoria de comunicação o deputado informou que o local citado na reportagem faz parte de uma cooperativa de pescadores, e negou ter qualquer tipo de vínculo com o empreendimento.

Risco de poluir o rio Miriti

A preocupação maior  é que toda a poluição vá parar no rio Miriti, já que ele é responsável por abastecer cerca de 60% da população de Manacapuru, conforme portal da transparência do município. A coloração das águas dos igarapés ao longo da BR-352 mudou nas duas últimas semanas, conforme os relatos.

Cooperativa admite

Em nota, a Cooperativa de Piscicultores  informou que houve um desabamento de barragem próximo ao local e a água invade os igarapés próximos, no entanto os administradores do local começaram a colocar tábuas e pó de serragem na barragem, mas a situação só deve melhor quando o período chuvoso terminar.

Publicidade
Publicidade