Publicidade
Cotidiano
TERREMOTO

Relato: Repórter de A Crítica presencia terremoto na Costa Rica

Felizmente, aqui estou contando a estória deste abalo sísmico de 5 pontos na Escala Richter, que para os costariquenhos é 'café pequeno' 19/11/2018 às 07:17
Show capturar efdfb3e3 7553 4561 9cac db94bcd11bd7
Foto: Reprodução
Antônio Ximenes Guápiles - Costa Rica

O primeiro terremoto a 'gente' nunca esquece

Meu batismo de terremoto foi com 5 pontos na Escala Richter na Costa Rica, no dia 17 de novembro de 2018, na montanha de São Rafael de Heredia, a mais de 2 mil metros de altitude. A casa de pedra e madeira onde estava hospedado tremeu por 5 intermináveis segundos.A sensação é de que a terra vai se despedaçar e que tudo virá abaixo.

Uma onda sísmica atingiu a região no entorno de São José, a capital costariquenha. O epicentro do terremoto foi a 10 quilômetros de profundidade na cidade de Guápiles, a 21,7 quilômetros de onde eu estava. Mas foi o suficiente para não esquecer jamais, mesmo porque, a primeira vez, é para sempre, ainda mais quando se é do Brasil, onde terremotos são uma raridade.

As lembranças das 8h12, do sábado passado, quando senti a terra tremer debaixo dos meus pés e as paredes e o teto de uma sólida casa de montanha parecerem uma folha de papel ao vento, estão marcadas em minha mente e, sinceramente, não desejo a ninguém passar por esta experiência. Mas, vida de repórter, é estar no lugar e na hora certa, onde acontecem os fatos, e contar o que aconteceu.

A Cordilheira Vulcânica Central da Costa Rica, na América Central, é conhecida pelas atividades vulcânicas e a frequência dos terremotos. O histórico sismográfico na região e seu entorno,indo até o litoral do Oceano Atlântico, mostra que quando a terra começa a tremer acima desta linha (5 pontos na Escala Richter), o registro de mortes aumenta.

No dia 22 de abril de 1991, um terremoto de 7,7 na Escala Richter, com o epicentro a 10 quilômetros de profundidade, na localidade de Pandora, no Estado de Limón, matou 49 pessoas e feriu outras 658 na Costa Rica. Este terremoto também matou 79 panamenhos e feriu mais de 1000 pessoas no vizinho Panamá.

Vulcões

Quando decidi fazer uma reportagem sobre os vulcões Irazú, o mais alto da Costa Rica, com seus 3432 metros, e onde do seu cúme se pode ver os oceanos Atlântico e Pacífico. E o Poás (2708 metros), que tem uma cratera de 1,5 quilômetros de diâmetro, uma das maiores do mundo, sabia que havia o risco de passar por erupções, que são antecedidas por abalos sísmicos causados pela energia gerada nas entranhas da Terra.

O que não imaginava, era de que na ausência de erupções, a terra iria tremer distante dos 'colossos de fogo', como são conhecidos os vulcões Irazú e o Poás (ler, com exclusividade em A Crítica, reportagem sobre esses vulcões, no próximo dia 25), nas proximidades da capital São José.

Proteção

A Costa Rica está localizada no arco das erupções vulcânicas e dos terremotos.Por essa razão, as casas da classe média, em geral, são construídas com proteção aos abalos sísmicos.

O governo definiu as regras básicas para se evitar tragédias maiores, a partir de padrões de material que são usados na construção de obras civis, tanto residenciais, como de pontes e edifícios, a exemplo do que acontece no Japão; mas também no México, outro país que registra terremotos fatais ao longo da sua história.

A casa de madeira e pedra, onde estava hospedado na encosta da montanha de São Rafael de Heredia, foi construída de acordo com o que recomenda a cartilha anti terremoto da Costa Rica.

Oração

Mas, mesmo assim, ao ver as paredes e o teto tremerem percebi que nessas horas, o melhor que se tem a fazer é uma boa oração. Felizmente, aqui estou contando a estória deste abalo sísmico de 5 pontos na Escala Richter, que para os costariquenhos é 'café pequeno'. Mas para um brasileiro que mora em Manaus, onde dificilmente há tremores de terra,trata-se de um 'balde de café'.

Aliás, o meu 'batismo de terremoto' aconteceu, justamente, quando tomava o café da manhã.

Escala Richter

A Escala Richter vai de 0 a 10.Na proporção 5 de intensidade, costuma causar danos em edifícios e obras mal concebidas, ou sem defesas anti terremotos.Provoca o movimento de objetos, das paredes, portas, janelas e de toda estrutura de uma casa.Mundialmente, neste nível, há uma média de 800 abalos sísmicos anualmente.

Publicidade
Publicidade