Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
ccj-esperidiao-amin.jpg
publicidade
publicidade

Política

Relator de CPI de Crimes na Web fala em evitar novos bloqueios do WhatsApp

Deputado Esperidião Amin rebateu críticas e afirmou que o parecer elaborado por ele na Câmara inclui um projeto de lei para alterar Marco Civil da Internet e impedir novos bloqueios do WhatsApp


03/05/2016 às 14:23

Relator da CPI dos Crimes Cibernéticos na Câmara, o deputado Esperidião Amin (PP-SC) afirmou que o parecer elaborado por ele, com votação prevista para esta terça-feira, inclui um projeto de lei para alterar o Marco Civil da Internet e evitar bloqueios como o determinado por um juiz de Sergipe que impediu o acesso de mais de 100 milhões de pessoas no Brasil ao WhatsApp.

“O relatório que vai ser discutido prevê a criação de uma pena entre a multa e o bloqueio dos sites para não se chegar nesse extremo”, disse Amin por telefone à Reuters, rejeitando alegações de que a mudança proposta por ele tornaria mais fácil para magistrados decretar bloqueios a sites e aplicativos.

Segundo o deputado, a intenção é estabelecer diretrizes para o bloqueio diretamente contra usuários específicos ou IPs identificados como suspeitos de atividades ilícitas, em vez de decisões que impeçam o acesso de todos os usuários.

O relatório da CPI propõe, entre outras medidas, um projeto de lei para incluir um artigo no Marco Civil da Internet, de 2014, autorizando os juízes a "obrigar que os provedores de conexão bloqueiem o acesso ao conteúdo ou a aplicações de Internet relacionados àquela conduta, consideradas a proporcionalidade, o alcance da medida, a gravidade do crime e a celeridade necessária para promover a efetiva cessação da referida conduta".

Mesmo que o relatório com a proposta seja aprovado pelos parlamentares na CPI, o projeto deve seguir os ritos previsto de aprovação no Congresso para ter efeito.

Críticos à medida afirmam que o artigo ampliaria o poder de juízes para determinar bloqueios, mas o deputado defende que essa seria uma punição intermediária entre duas penas atualmente previstas na legislação, que vão de uma multa à suspensão temporária das atividades.

"O projeto de lei é para criar uma pena alternativa, seria retirar o acesso ao IP. Às vezes o IP cobre uma organização e não só um indivíduo, mas ainda assim é menos dramático do que tirar o aplicativo de toda a população brasileira", afirmou.

Segundo Amin, a comoção provocada pela decisão de segunda-feira do juiz Marcel Maia Montalvão, titular da vara criminal da cidade de Lagarto (Sergipe), de bloquear o WhatsApp por 72 horas em todo o Brasil, deve ser percebida na votação de seu relatório em sessão da CPI mais tarde nesta terça. O aplicativo é controlado pelo Facebook.

O relator, reconheceu, no entanto, que o tema divide opiniões no colegiado. “Ainda não está pacificado", disse.

O deputado retirou de seu parecer outro ponto que vinha causando polêmica: o projeto de lei que autorizava delegados e membros do Ministério Público a requisitar de provedores de acesso à Internet o endereço IP usado para a geração de conteúdo criminoso sem necessidade de autorização judicial. O Marco Civil da Internet prevê o fornecimento do endereço IP apenas mediante decisão judicial.

publicidade
publicidade
Justiça decreta prisão de três pessoas pelas mortes na Muzema, no RJ
Sentença obtida pelo MPF determina reforma da Casa de Saúde Indígena no AM
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.