Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020
ENSINO SUPERIOR

Representantes de Ufam e UEA discutem rumos da educação no Amazonas

Entre os assuntos abordados em evento no Musa esteve o corte das verbas federais



WhatsApp_Image_2019-06-12_at_17.46.44_875B3179-8E4B-4304-83CC-4FD9333E46DA.jpeg Foto: Antônio Lima
12/06/2019 às 21:31

Representantes de varias unidades ligadas à universidades públicas do estado que oferecem os cursos de licenciaturas se reuniram em um encontro, na tarde desta quarta-feira (12), em Manaus para discutir a situação da educação no País e as consequências de mudanças que atingem o ensino no Estado.

O debate aconteceu na unidade do Museu da Amazônia (Musa) localizada no Centro e reuniu professores da Universidade Estadual do Amazonas (UEA) e Universidade Federal do Amazonas ( Ufam). Entre os assuntos abordados estiveram os cortes das verbas federais e as consequências para os diversos níveis desde a educação Infantil até o Ensino Superior.



Para a diretora da faculdade de artes da Ufam, Rosemara Staub, é preciso discutir o assunto entre as partes envolvidas já que a educação tem que ser prioridade em qualquer campo.

"A licenciatura é um campo importante e isso não pode ser abalado pelas circunstâncias que o País está vivendo atualmente. Porque isso mexe em vários caminhos desde a formação profissional como também da manutenção da profissão. Não tem como mudar o crescimento econômico do país sem investir na educação", disse.

Já para um dos representantes da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) no Amazonas, Sanderson Oliveira, a atual situação em torno da educação no Brasil preocupa e, por isso, é preciso levantar a discussão.

"Existe no momento um contexto adverso para a educação em todos os níveis, tanto da educação infantil e ensino médio, como superior. Medidas que estão sendo tomadas e impactam diretamente nessas áreas. Por isso a necessidade de discutir o assunto com os integrantes desse contexto e tentar traçar alternativas e medidas em conjunto", afirmou.

News 67871831 2375776725837034 8549020935401766912 n b8a48296 b506 45ea 8ef1 41a701c3e456
Repórter de Cidades
Formada em 2010 pela Uninorte, é pós-graduada em Assessoria de Imprensa e Mídias Digitais pela Faculdade Boas Novas. Repórter de Cidades em A Crítica desde 2018.

Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.