Publicidade
Cotidiano
Notícias

Restaurante no Parque Dez é interditado após DVisa encontrar 200 kg de alimento vencido

Clientes passaram mal e foram parar no hospital após comerem joelho de porco estragado. Fiscais confirmaram denúncia e interditaram o local 08/09/2015 às 16:31
Show 1
Entre os alimentos vencidos havia linguiças, bolinhos de bacalhau, pão de alho e salame fatiado
VINICIUS LEAL Manaus

A Divisão de Vigilância Sanitária (Dvisa) multou e interditou a Cachaçaria do Dedé do Parque 10, em Manaus, após ser encontrado 200 quilos de alimentos vencidos no local durante uma blitz.

A fiscalização foi originada de uma denúncia e ocorreu no início da tarde desta terça-feira (8), por volta de 12h30. “Duas pessoas passaram mal depois de comer joelho de porco e foram parar no hospital”, informou Wilson Reis, funcionário da Dvisa que acompanhou a blitz.

Segundo ele, havia vários produtos com data de validade vencida e outros sem identificação nos rótulos. Os alimentos vencidos eram linguiças, bolinhos de bacalhau, pão de alho e salame fatiado. Todo o material, que pesava cerca de 200 quilos, foi apreendido.

Por vender produtos sem condições para consumo humano, a Cachaçaria do Dedé feriu o Código Sanitário do Município, Lei 392/97, e poderá ser multada de 1 UFM (Unidade Fiscal do Município), que vale R$ 83,78, até 400 UFMs, o que equivale a R$ 33,512.

Após lavrado o auto de infração, o proprietário do estabelecimento, A. L. Parente, terá 3 dias para apresentar defesa, e enquanto isso o local ficará fechado. A fiscalização na Cachaçaria foi feita pelos fiscais Fabrício Barros, Ricardo Celestino e Walace Benjamin.

A reportagem entrou em contato com o proprietário da Cachaçaria pelo número 81XX-XX31, e também pelo telefone fixo do estabelecimento no 3236-0025, mas nenhuma das ligações foi atendida.

Sobre fiscalizações em outras unidades da rede Cachaçaria do Dedé em Manaus, a assessoria de imprensa da Dvisa informou que as inspeções são feitas só após o registro de denúncias pelo telefone 0800-092-0123. As fiscalizações também acontecem, segundo o órgão, dentro de um cronograma.

Publicidade
Publicidade