Publicidade
Cotidiano
Notícias

Restos mortais das cinco vítimas da queda de helicóptero em Atalaia do Norte são resgatados

Os restos mortais já estão no IML anexo ao Hospital de Guarnição de Tabatinga. A bordo do Black Hawk da FAB, eles desembarcaram no aeroporto do município  por volta das 17h (horário de Manaus) 03/06/2015 às 17:34
Show 1
Os restos dos corpos das vítimas passarão por exames necrológicos no IML anexo ao Hospital de Guarnição de Tabatinga
acritica.com* ---

Os restos mortais das cinco vítimas da queda do helicóptero  que estava desaparecido desde o dia 29 de maio no município de Atalaia do Norte chegaram às 17h (horário de Manaus e 16h no horario local) desta quarta-feira (3) ao aeroporto município de Tabatinga a bordo de um helicóptero modelo Black Hawk do Força Aérea Brasileira (FAB).

Do aeroporto, os restos mortais foram levados para o Instituto Médico Legal (IML), anexo ao Hospital de Guarnição de Tabatinga, onde passarão pelo exame necrológico.

Mais cedo, a FAB informou, por meio de nota, que o helicóptero foi avistado pela equipe de busca da FAB na noite desta terça-feira (2), a aproximadamente 40 quilômetros a sudoeste do município de Tabatinga. Em função das condições meteorológicas daquele momento e das características da região, não foi possível confirmar se era o objeto da busca.

Na manhã desta quarta-feira, o helicóptero Black Hawk da FAB desembarcou equipes de resgate no local, que confirmaram que se tratava dos destroços da aeronave que havia desaparecido, sem indícios de sobreviventes. Uma equipe do Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VII) foi deslocada até lá para iniciar as investigações das causas do acidente.

Trajeto helicóptero deveria ter realizado

O helicóptero que caiu, modelo Esquilo prefixo PR-ADA da Moreto Táxi Aéreo, sumiu dos radares no dia 29 de maio após fazer a remoção de emergência de uma indígena grávida com hemorragia, Marcelina Cruz dos Santos Morubo, em uma comunidade no Alto Ituí. O helicóptero, pilotado por Alexandre Felix Souza, transportava também a acompanhante Marcelina da Silva de Souza, a enfermeira Luzia Fernandes Pereira e outra paciente indígena, Luciana Guedes do Carmo.

O piloto e a enfermeira eram funcionários do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei/Javari), da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), e saíram para o resgate das pacientes por volta das 15h do dia 29. A aeronave desapareceu exatamente às 18h17min conforme o site www.aerosmart.com.br, que fornece a rota da aeronave em operação.


Desde então, equipes de vários órgãos trabalhavam nas buscas aéreas e terrestres: Aeronáutica, Corpo de Bombeiros, Exército - Comando de Fronteira do Solimões/8º. Batalhão de Infantaria de Selva, Sesai, Funai, Polícia Militar, Fundação de Vigilância e Saúde e as defesas civis do Estado, de Benjamin Constant e Atalaia do Norte.

*Com informações do jornalista Eduardo Gomes

Publicidade
Publicidade