Sábado, 16 de Outubro de 2021
Previsão

Retomada de 100% dos voos domésticos no Brasil deve acontecer até junho de 2022, prevê Abear

Empresas aéreas esperam retomar toda a malha aérea existente no Brasil antes da pandemia. Voos internacionais devem continuar afetados por questões sanitárias



aviao-decolando-capa2019-02-820x430_6B8F8677-808C-4996-AE52-44342D1CEC6F.jpg Foto: Reprodução
25/08/2021 às 12:52

Em audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (25), o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, afirmou que as empresas aéreas esperam retomar no primeiro semestre de 2022 toda a malha aérea existente no Brasil antes da pandemia do novo coronavírus.

Para isso que isso aconteça, segundo Sanovicz, o setor conta com a vacinação ampla da população. No entanto, a Abear avalia que voos internacionais continuarão afetados por questões sanitárias.

“A pandemia de Covid-19 gerou a mais dura crise da aviação no mundo, antes algo parecido só na Segunda Guerra Mundial (1939-45)”, disse Sanovicz. “Perto do que aconteceu, o 11 de Setembro não foi nada”, comparou, citando efeitos do ataque às torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, em 2001.

As partidas diárias no Brasil em abril de 2020, quando a pandemia se instalou no País, foram equivalentes a 6,8% da média antes da Covid-19. Os dados da Abear mostram que a adoção de medidas sanitárias permitiu a retomada dos voos, mas o recrudescimento da doença neste ano provocou novo recuo.

“As partidas alcançarão em setembro 75% do patamar anterior à pandemia. Esperamos chegar a 85% até o final do ano, mas atingir 100% só no primeiro semestre de 2022”, disse o presidente da Abear. A entidade reúne as empresas aéreas com origem no Brasil, como Latam, Gol e Azul, entre outras.

*Com informações da Agência Câmara




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.