Publicidade
Cotidiano
CODAM

Reunião aprova investimento em empresa de derivados do leite em Manacapuru

A descentralização dos projetos para o interior do Estado e desenvolvimento de novas tecnologias foram os pontos da reunião que aprovou 30 projetos 23/02/2017 às 09:48
Show unnamed
O Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas aprovou 30 projetos (Foto: Divulgação/Secom)
Geizyara Brandão Manaus

A descentralização dos projetos para o interior do Estado e desenvolvimento de novas tecnologias foram os pontos da 266ª reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam) realizada no final da manhã de ontem (22). 

O projeto de mais destaque foi da empresa Rancho Ferradurinha, localizada em Manacapuru, para a fabricação de derivados do leite como: manteiga, doce de leite, iogurte e queijo. Com o investimento de, aproximadamente, R$ 2 milhões resultam em 24 novos postos de trabalho para o município.

De acordo com o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), Muni Lourenço, o Amazonas possui 70 mil matrizes leiteiras que são ordenhadas todos os dias. Em 2015, foram produzidos 50 milhões de litros de leite destacando a cadeia produtiva. “Nós temos visto nas últimas pautas do Codam não só projetos de eletroeletrônicos, mas a presença de empreendimentos voltados à produção e utilização dos nossos produtos regionais”, disse.

Lourenço ressaltou que empreendimentos interiorizados diversificam a economia do Amazonas, além de gerar emprego e renda para os municípios. “Em outras reuniões, frigoríficos diversificaram, fabricação de polpas de frutas, laticínios e esse é mais um desses exemplos importantes”, afirmou.

Com o projeto da Rancho Ferradurinha, Manaus deixará de importar laticínios de outros estados, conforme o discurso do presidente da Faea, um dos conselheiros do Codam.
Segundo o secretário de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Seplan-CTI), José Jorge do Nascimento, tradicionalmente o Conselho aprova projetos industriais em Manaus e a da Ferradurinha é inusitada. “É algo que esperamos ser mais rotineiro, que é a indústria no interior do Estado e utilizando o potencial da Região”, contou.

Crescimento

Em 2016, a primeira reunião do Codam aprovou, na íntegra, 26 projetos relacionados na pauta, o que somavam investimentos de R$ 493 milhões e 851 vagas no mercado de trabalho. Porém, neste ano, o valor aumentou quase cinco vezes o alcançado no ano passado. Os 30 projetos aprovados contabilizam R$ 2 bilhões e 1.084 novos postos de emprego no mercado.  
“Isso significa que estamos retomando o crescimento. É a primeira reunião do Conselho no ano de 2017, dois anos depois de crise, e alcançarmos números de projetos, mais geração de emprego, de investimentos maiores que os últimos anos, temos indícios de que começamos realmente acreditar que o caminho de algo novo e positivo está sendo encontrado”, assegurou o secretário da Seplan-CTI.

Para o secretário, a reunião mostra a descentralização do desenvolvimento e crescimento para o interior do Amazonas. “Essa reunião teve dois pontos importantes: a alta tecnologia, com a produção de semicondutores da Calcomp e a utilização de matéria-prima regional com a produção de derivados do leite”, ressaltou.

Revisão de Incentivos

O governador do Amazonas, José Melo, presidiu a primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam) e enfatizou que o Estado precisa de estabilização.

O equilíbrio almejado, de acordo com o governador, começa pela revisão dos incentivos ficais que possui uma comissão foi montada com representantes de todos os segmentos. “De que adiantaria se nós tivéssemos empresas comerciais, industriais e de serviço nadando em dinheiro e o Estado não tivesse condições de pagar o 13º e a folha de pagamento do mês? Se isso acontecesse, seriam quase 300 mil pessoas que deixariam de comprar”, exemplificou Melo.

O governador se referiu à Zona Franca de Manaus (ZFM) como uma fênix e que a reforma previdenciária e das leis trabalhistas contribuirá para o resultado de ‘renascimento das cinzas’. “Dentro da nossa visão, a ZFM tem que emergir da crise mais forte”, afirmou.

Em Números

R$ 2 bilhões é o valor do investimento total dos 30 projetos aprovados na reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam). Sendo R$ 2 milhões para o empreendimento localizado em Manacapuru para a produção de derivados do leite.

Publicidade
Publicidade