Publicidade
Cotidiano
Meio Ambiente

Rio Negro apresenta vazante atípica e 'desregulada' neste final de ano

Até os primeiros 13 dias deste mês de dezembro, as águas desceram um total de 58 centímetros, estacionando na taxa de 17m20 nos dias 14 e 15. Os números são inferiores ao período até 15 de dezembro do ano passado 16/12/2016 às 05:00
Show vazante1
Transeunte passa na ponte da Aparecida e, abaixo, o igarapé do São Raimundo com aspectos da vazante / Fotos: Euzivaldo Queiroz
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Até os primeiros 13 dias deste mês de dezembro, as águas do rio Negro desceram um total de 58 centímetros, estacionando na taxa de 17m20 nos dias 14 e 15. A vazante acentuada nestes últimos meses do ano é atípica em comparação com o ano passado. Os números são inferiores ao período até 15 de dezembro de 2015, quando o rio encheu 51 centímetros, e ainda menores que no mesmo período de 2014, quando a subida na primeira quinzena acumulou 74cm – e em ambos os períodos não houve descida das águas 

A estatística de vazante dos primeiros 15 dias deste mês é maior até que todo o acumulado de descida das águas de novembro, que foi  54 centímetros, apresentando subida de apenas 4 cm. Em 2015, a vazante nos 30 dias deste mesmo mês foi de 0,13m, contra 0,87m de cheia.

Em comparação com o ano passado, esta quinta-feira (15) apresentou diminuição de 8 centímetros na cota do nível do rio: a cota em 15 de dezembro de 2015 era 17m28, contra 17m20 de ontem. Na mesma data, em 2014, o nível era bem maior: 21m31.

Medição
De acordo com Valderino Pereira da Silva, funcionário do Porto de Manaus e responsável por medir o nível das águas do rio Negro há mais de 30 anos, a situação não é preocupante, tendo em vista que, segundo ele, “se formos pegar a cota do nível do rio até o dia 15 deste mês, ela está em 17m20, contra 17m28 do ano passado, ou seja, estamos 8 centímetros mais baixo, mas, em relação à mínima do ano passado, que foi 15m92 (registrada em 28 de outubro do ano passado) hoje o rio está 1m28 mais cheio; está acima da mínima do ano passado”.

Valderino pontua que o que está diferente em relação aos anos anteriores é que o rio Negro ainda não começou a subir, como ocorre tradicionalmente em novembro, e até quarta e quinta encontrava-se parado. “Se formos observar a cota, os valores estão normais. Aparentemente amanhã ou depois esse rio está começando a encher”, comentou ele, desmentindo que estejamos em período de repiquete (fenômeno no qual o rio volta a baixar o nível de forma acelerada).

Uma boa notícia para quem espera ansiosamente a subida das águas do rio Negro é o aumento das chuvas em regiões como Tabatinga (a 1.105 quilômetros de Manaus), na bacia do rio Amazonas. “As chuvas que vêm dos Andes fazem subir o rio, e pra lá demorou a chover. Há uma semana voltaram as chuvas e o rio subiu de 15 a 20 centímetros”, informou o experiente Valderino Pereira da Silva.

Benefícios
A vazante é propícia, por exemplo, para a manutenção ou construção de embarcações, contou o mecânico e construtor Romário Nazaré. “Já era para o rio Negro estar começando a encher. Se não está bom pra navegar, pelo menos a vazante é boa para construir ou reformar barcos”, disse ele.

Vida difícil nos flutuantes
Natural de Barcelos, a dona de casa Sônia Freitas da Silva, diz ser uma das pessoas prejudicadas pela vazante. Desempregada, ela é catadora de latinhas  e mora em um flutuante no igarapé do São Raimundo com mais 3 filhos de 18, 16 e 9 anos.

Por conta da descida das águas e da demora para a cheia, ela não consegue, por exemplo, trazer madeira por meio de embarcações para reformar o local onde vive, que está deteriorado. E a canoa que usava para se locomover foi levada pela enxurrada.

Publicidade
Publicidade