Sábado, 18 de Janeiro de 2020
Meio Ambiente

Rio Negro apresenta vazante atípica e 'desregulada' neste final de ano

Até os primeiros 13 dias deste mês de dezembro, as águas desceram um total de 58 centímetros, estacionando na taxa de 17m20 nos dias 14 e 15. Os números são inferiores ao período até 15 de dezembro do ano passado



16/12/2016 às 05:00

Até os primeiros 13 dias deste mês de dezembro, as águas do rio Negro desceram um total de 58 centímetros, estacionando na taxa de 17m20 nos dias 14 e 15. A vazante acentuada nestes últimos meses do ano é atípica em comparação com o ano passado. Os números são inferiores ao período até 15 de dezembro de 2015, quando o rio encheu 51 centímetros, e ainda menores que no mesmo período de 2014, quando a subida na primeira quinzena acumulou 74cm – e em ambos os períodos não houve descida das águas 

A estatística de vazante dos primeiros 15 dias deste mês é maior até que todo o acumulado de descida das águas de novembro, que foi  54 centímetros, apresentando subida de apenas 4 cm. Em 2015, a vazante nos 30 dias deste mesmo mês foi de 0,13m, contra 0,87m de cheia.



Em comparação com o ano passado, esta quinta-feira (15) apresentou diminuição de 8 centímetros na cota do nível do rio: a cota em 15 de dezembro de 2015 era 17m28, contra 17m20 de ontem. Na mesma data, em 2014, o nível era bem maior: 21m31.

Medição
De acordo com Valderino Pereira da Silva, funcionário do Porto de Manaus e responsável por medir o nível das águas do rio Negro há mais de 30 anos, a situação não é preocupante, tendo em vista que, segundo ele, “se formos pegar a cota do nível do rio até o dia 15 deste mês, ela está em 17m20, contra 17m28 do ano passado, ou seja, estamos 8 centímetros mais baixo, mas, em relação à mínima do ano passado, que foi 15m92 (registrada em 28 de outubro do ano passado) hoje o rio está 1m28 mais cheio; está acima da mínima do ano passado”.

Valderino pontua que o que está diferente em relação aos anos anteriores é que o rio Negro ainda não começou a subir, como ocorre tradicionalmente em novembro, e até quarta e quinta encontrava-se parado. “Se formos observar a cota, os valores estão normais. Aparentemente amanhã ou depois esse rio está começando a encher”, comentou ele, desmentindo que estejamos em período de repiquete (fenômeno no qual o rio volta a baixar o nível de forma acelerada).

Uma boa notícia para quem espera ansiosamente a subida das águas do rio Negro é o aumento das chuvas em regiões como Tabatinga (a 1.105 quilômetros de Manaus), na bacia do rio Amazonas. “As chuvas que vêm dos Andes fazem subir o rio, e pra lá demorou a chover. Há uma semana voltaram as chuvas e o rio subiu de 15 a 20 centímetros”, informou o experiente Valderino Pereira da Silva.

Benefícios
A vazante é propícia, por exemplo, para a manutenção ou construção de embarcações, contou o mecânico e construtor Romário Nazaré. “Já era para o rio Negro estar começando a encher. Se não está bom pra navegar, pelo menos a vazante é boa para construir ou reformar barcos”, disse ele.

Vida difícil nos flutuantes
Natural de Barcelos, a dona de casa Sônia Freitas da Silva, diz ser uma das pessoas prejudicadas pela vazante. Desempregada, ela é catadora de latinhas  e mora em um flutuante no igarapé do São Raimundo com mais 3 filhos de 18, 16 e 9 anos.

Por conta da descida das águas e da demora para a cheia, ela não consegue, por exemplo, trazer madeira por meio de embarcações para reformar o local onde vive, que está deteriorado. E a canoa que usava para se locomover foi levada pela enxurrada.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.