Quarta-feira, 02 de Dezembro de 2020
ENTREVISTA

Sebrae atende nais de 5 mil pessoas no AM em primeira semana 100% online

Durante quarentena, estimativa da superintendente Lamisse Said Cavalcante é de que haverá como ajudar as micros e pequenas empresas a se reinventarem



lamisse_sebrae_8175D3F8-EBCD-4D31-BD56-A67DE3DA24E1.jpeg
31/03/2020 às 15:58

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Amazonas (Sebrae-AM) está com seus atendimentos 100% online. A medida foi adotada para preservar os clientes e funcionários neste momento em que o coronavírus ataca a sociedade deixando um rastro de contágios e mortes.

A decisão adotada pela diretoria da instituição, dirigida pela superintendente Lamisse Said Cavalcanti, é por tempo indeterminado, até que as autoridades da área de saúde do Estado e do município determinem o fim da quarentena em vigor. 



Na primeira semana de atendimento online, cerca de 5.444 pessoas, a maioria micros e pequenos empresários, foram atendidos por 72 analistas do Sebrae especializados em diversas áreas como: auxilio do governo para MEI; auxílio do governo para informais; inscrição municipal; como obter crédito; declaração do MEI; orientação sobre crédito na Afeam; e orientação sobre o EAD Sebrae, os mais procurados.

Durante a quarentena do Sebrae, a estimativa da superintendente Lamisse é de que haverá como ajudar as micros e pequenas empresas a se reinventarem, a partir da nova realidade do mercado, com o objetivo de evitar a quebra delas e o desemprego.

“Estamos todos trabalhando online para combater os efeitos do Coronavírus na economia”, disse Lamisse Said Cavalcanti.

Confira a entrevista:

A Crítica: O que representa estar com todas as atividades do Sebrae Amazonas online?

Lamisse Cavalcanti: Uma estratégia para continuar assistindo os pequenos negócios em um momento totalmente atípico, de incertezas e preocupações, seja pelo aspecto da saúde pública, bem como pela redução do consumo das famílias que gera impacto negativo na economia.  O Sebrae/AM mais do nunca está ao lado dos pequenos negócios ajudando a superar essa crise. 

AC: Por que foi tomada a decisão de retirar o atendimento presencial ?

LC: Para cumprir o que determina a Organização Mundial da Saúde (OMS) e as determinações dos órgãos de saúde estadual e municipal, e, assim, preservar a saúde dos clientes e dos funcionários.

AC: De que maneira o Sebrae Amazonas está atendendo aos seus clientes (micros e pequenos empresários)?

LC: Estamos operando em sistema home office. Todo o nosso atendimento, na capital e interior, está sendo realizado por meio digital. Os nossos clientes podem acessar nossos serviços e atendimento remotamente, como:

Pelo fale conosco, através do Whatsapp: http://bit.ly/WhatsappsebraeAM e /ou 984352660;

EAD : https:// www.sebrae.com.br/amazonas;

Fale com um especialista : https://www.sebrae.com.br/sites/portal/faleconosco

Central de Relacionamento: 0800-570-0800;

Consultorias a distância: Contábil, financeira, Mídias Digitais e Marketing –contato para agendamento via Central de Relacionamento.

AC: Quais os atendimentos mais demandados nesta primeira semana de atividades online? Cite as sete maiores demandadas, por favor.

LC: Auxílio do governo para MEI; auxílio do governo para informais; Inscrição Municipal; como obter crédito; declaração do MEI; orientação sobre a Afeam; orientação sobre o EAD Sebrae

AC: O Sebrae tem condições humanas e tecnológicas para atender a demanda de quantos atendimentos ao dia?

LC: A meta do atendimento remoto para o ano de 2020 é 22 mil atendimentos, dividimos 20 atendimentos por dia por atendente.

AC: Que tipo de cursos de capacitação online estão sendo oferecidos aos empresários e seus funcionários, considerando que há lacunas de conhecimentos de como trabalhar eletronicamente/digitalmente?

LC: Na plataforma do EAD temos mais de 120 cursos disponíveis, entre eles: como aumentar suas vendas; como desenvolver negócios inovadores; como elaborar um plano de negócios; como ter ideias criativas e inovar na prática; como turbinar suas vendas; customer success - como conquistar e manter clientes; estratégia financeira para o crescimento; gestão de pessoas; gestão empresarial integrada; planejamento estratégico para empreendedores. 

AC: O Governo do Amazonas decretou o Estado de Calamidade Pública e a Prefeitura Municipal também. Por quanto tempo o Sebrae deverá ficar em quarentena ?

LC: Por hora, o tempo é indeterminado, o retorno vai depender da evolução ou não do Covid-19 em nosso estado e das orientações das autoridades da área de saúde, de forma a não colocar em risco a saúde e segurança dos nossos clientes e funcionários. Esperamos que as medidas adotadas surtam efeito o mais rápido possível.

AC: De que forma o Sebrae Nacional está auxiliando tecnicamente as atividades do Sebrae Amazonas, neste momento?

LC: Com suporte técnico, articulação de políticas públicas em prol dos pequenos negócios especialmente no que se refere a tratamento tributário diferenciado neste momento e oferta de crédito para garantir capital de giro às empresas, inclusive ampliando o montante do Fampe – Fundo de Aval das Micro e Pequenas, para fins de prestar garantias as operações de crédito aos pequenos negócios.

AC: Segundo decisão do Governo Federal, 50% da receita do Sistema S será retirada por um período. Como isso afeta as atividades do Sebrae Amazonas? 

LC: Afeta diretamente. Contudo, em parte já foi resolvido. Não haverá redução da receita do Sebrae pois o recurso será alocado para garantir operações de crédito para os pequenos negócios por meio do Fampe. Tão logo tenhamos essa informação consolidada comunicaremos melhor para a imprensa.

AC: Que medidas estão sendo adotadas pela diretoria regional para equilibrar as contas da instituição e não afetar a demanda do mercado por conhecimentos necessários para enfrentar a crise do Coronavírus?

LC: Já traçamos um plano, contudo, aguardamos as tratativas que estão sendo feitas entre o Sebrae Nacional e o Ministério da Economia. Como já dito, provavelmente o corte anunciado de 50% não ocorrerá da forma que foi anunciada pelo Governo Federal, mas um redirecionamento para apoio nas operações de crédito dos pequenos negócios.

AC: Haverá algum tipo de redução salarial dos funcionários do Sebrae Amazonas durante o período de vigência da crise do Coronavírus?

LC: Não. Haverá redução de outros custos, como energia, material de expediente e transporte, visto que o nosso atendimento está sendo 100% digital, operacionalizado da casa dos funcionários. Vale destacar que os funcionários continuam trabalhando, sistema home office.

AC: Segundo várias análises do mercado o ramo de turismo, alimentação fora de casa, transporte, entre outros do comércio, estão sendo fortemente afetados. Que tipo de orientações estão sendo dadas pelo Sebrae aos empresários dessas áreas de micro e pequeno porte para superar a crise e não quebrarem, por falta de capital de giro?

LC: Consultores especialista estão mantendo contato com os empresários e prestando atendimento e orientações por meio de consultoria online, além disso, o Sebrae Nacional está articulando com vários agentes financeiros estratégias diferenciadas para atendimento desse público, incluindo a ampliação do Fampe, para amparar as operações de credito junto as instituições financeiras. A Afeam também já anunciou que  o seu atendimento será online durante o período de quarentena, visando atender a demanda dos clientes.

AC: Como estão funcionando as unidades do Sebrae em Tabatinga, Parintins, Manacapuru, Itacoatiara, Tefé e Coari, nesse momento em que o interior também está sendo afetado pelo Coronavírus?  Que tipo de orientações foram repassadas para atender as demandas locais?

LC: A nossa estratégia é única, atendimento 100% remoto. Não podemos parar de atender, de orientar e esclarecer dúvidas dos empresários na capital e interior do estado.

AC: Qual a sua avaliação sobre o desempenho do Sebrae nesta primeira semana online? 

LC: A resposta por parte dos nossos clientes, está sendo bastante satisfatória, aqui no Amazonas como em todo Brasil, o volume de atendimento por meio dos canais digitais deu um salto. Aqui no Amazonas registramos na semana de 23 a 27, por meio dos canais abaixo especificados os seguintes números de atendimentos:

- Portal - 805 pessoas logadas;

- EAD - 2.915 inscritos;

- Fale com um especialista - 485 atendimentos;

- WhatsApp - 203 atendimentos;

- 0800 - 723 ligações/atendimentos;

- Webinar - 313 inscritos.

AC: O que deve melhorar no curto prazo para atender uma demanda que deverá aumentar? 

LC: Pretendemos aumentar os números de consultorias a distância, criar mais conteúdos digitais, realizar mais Lives e Webnar, ampliar a consultoria em Gestão Financeira. Também está nos planos ampliar o atendimento pelo Canais Digitais, estruturar mais dicas de Mercado, Finanças, Mídias Digitais e novas oportunidades de negócios diante do novo cenário.

AC: Como estão as parcerias do Sebrae com o governo estadual, especialmente com a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam), na área de crédito?

LC: O Sebrae no Amazonas, por meio do seu CDE – Conselho Deliberativo Estadual, encaminhou pleito ao Governo do Estado para minimizar os impactos nos pequenos negócios durante o período de quarentena imposto pelo pandemia do coronavírus. Junto a Afeam, a parceria continua, só que agora de forma remota alinhado com a estratégia da própria agência que já anunciou que  todo o seu atendimento será online durante o período de quarentena.

AC: O Sebrae tem estatísticas sobre as áreas mais afetadas na economia amazonense, a partir dos seus clientes?

LC: São as atividades de comércio varejista em geral (alimentos, vestuário, bebidas, armarinhos, brinquedos) e de serviços (salão de belezas, clínicas médicas, pet shop, restaurantes, bares, lanchonetes).

AC: De que maneira os demais Sebrae do Brasil estão interagindo com Sebrae Amazonas na busca de respostas à crise provocada pelo Coronavírus? 

LC: Através de meios digitais, videoconferências, grupos de whatsapp, e-mails, etc. Toda informação é disseminada para todos as unidades do Sebrae nos estados instantaneamente por meio desses canais, visando a implementação rápida das medidas adotadas.

AC: Qual é a orientação da cúpula do Sebrae Nacional neste momento de combate aos efeitos provocados pelo Coronavírus na economia, especialmente junto aos micros e pequenos empresários do Amazonas?

LC: Cada Sebrae em seu respectivo estado tem autonomia para atuar de acordo com a realidade econômica local e, nesse momento, com observância as orientações dos órgãos oficiais da saúde de cada Estado. Além do foco no atendimento digital, diversos serviços e conteúdos digitais e atendimento remoto, o Sistema Sebrae está promovendo a campanha “Compre do Pequeno”, visando estimular a compra de pequenas comerciantes, mercadinhos localizados próximos das residências, bairros e comunidades. Ressaltamos que os pequenos negócios, bem como, os pequenos produtores estão sendo orientados a se organizarem para fazerem vendas via delivery, principalmente, nesse momento de restrição de circulação.  

Especial para A Crítica

Mais de Acritica.com

1 Dez
129463226_10224649977941399_3335464876289685344_o_55F2D25F-6751-49E7-A8CB-039D81ECD217.jpg

Fast anuncia reforços para a sequência da Série D

01/12/2020 às 21:23

Thiago Spice, Márcio Passos e Janeudo que chegam do Manaus, já treinaram com o restante do elenco, enquanto Dija Baiano que vem do Volta Redonda-RJ ainda fará exames para então poder se juntar ao grupo. Todos estavam atuando no Campeonato Brasileiro Série C


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.