Publicidade
Cotidiano
SAÚDE

Secretário da Susam anuncia adequações e diz que 48% do orçamento da pasta foi comprometido

O secretário destacou que o setor de saúde não é feita apenas de cirurgias eletivas e que se preciso vai buscar recursos para readequar o orçamento 07/06/2017 às 09:58
Show 00001
Secretário Vander Alves foi nomeado pelo governador interino David Almeida (Foto: Elisa Maia/ALEAM)
Geizyara Brandão Manaus

Em audiência pública para apresentar o balanço do primeiro quadrimestre da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), o secretário Vander Alves, que está há quase um mês no comando da pasta,  afirmou ontem que somente nesse período já foram utilizados 48% de todo o orçamento da saúde pública. “Não vou dizer que foi satisfatório porque o orçamento, 48%, já em quatro meses foi comprometido e a gente fica pensando como fazer com o restante”, disse.

Ao se queixar dos gastos, Alves enfatizou que os quatro primeiros meses são de gestões passadas. Em janeiro a secretaria foi comandada era comandada pelo médico Pedro Elias, o governador cassado José Melo (Pros) ficou apenas dez dias como titular da pasta no mês de fevereiro e posteriormente nomeou a enfermeira Mercedes Gomes de Oliveira.

Sobre o planejamento para aplicar os 52% da verba no restante dos meses, o atual secretário disse que haverá uma readequação. “Mas é para isso que nós estamos trabalhando, para que se readeque alguma coisa para que a gente chegue ao final do ano não comprometendo a saúde da população”, afirmou.

O secretário destacou que o setor de saúde não é feita apenas de cirurgias eletivas e que se preciso vai buscar recursos para readequar o orçamento.

 Setor Primário


Também em busca de recursos, um projeto de emenda constitucional de autoria deputado Sidney Leite (PROS) prevê que, no mínimo, 3% do orçamento do Estado seja aplicado no  setor primário, o que equivale a aproximadamente R$ 250 milhões.

O valor destinado atualmente ao setor é  R$ 94,3 milhões distribuídos entre a Secretaria Estadual de Produção Rural (Sepror); Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF); Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS) e do Instituto de Desenvolvimento Agrário e Florestal do Amazonas (Idam).

Segundo o parlamentar, o recurso não possui condições de suprir as demandas e a estrutura do órgão de assistência técnica, o Idam.

SAIBA MAIS

Celeridade
A PEC que prevê mais verbas para o setor primário  foi apresentada no mês de maio pelo deputado estadual Sidney Leite (PROS), que já atuou como titular da Secretaria Estadual de Produção Rural (Sepror). O projeto obteve 15 assinaturas dos deputados estaduais  e já está na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) . O parlamentar pediu, ontem na tribuna da ALE, celeridade para que seja votada ainda este ano e possa entrar no orçamento de 2018.

Publicidade
Publicidade