Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
Notícias

Secretário de Segurança se reúne com delegados para discutir novas atribuições

Segundo o Secretário de Segurança, os servidores irão se reunir para apontar os principais pontos da proposta de atribuição dos comissários que o governo deve formular



1.png Ele destacou que a experiência de todos será aproveitada no Sistema de Segurança e que eles irão contribuir com a elaboração das atribuições dos cargos de comissários
28/09/2015 às 16:30

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, se reuniu na manhã desta segunda-feira (28), com os delegados da Polícia Civil afetados pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e agradeceu aos servidores pelo grande empenho nas ações de segurança ao longo dos anos. 

Ele destacou que a experiência de todos será aproveitada no Sistema de Segurança e que eles irão contribuir com a elaboração das atribuições dos cargos de comissários. "Consideramos todos imprescindíveis para as nossas ações de segurança, pela grande experiência que eles acumularam ao longo de suas carreiras", disse.



Segundo Sérgio Fontes, os servidores irão se reunir para apontar os principais pontos da proposta de atribuição dos comissários que o governo deve formular.

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou inconstitucional as leis estaduais que promoveram comissários a delegados de polícia no Estado, atinge 96 delegados que atualmente exercem cargos na Polícia Civil do Amazonas e terá validade após a publicação no Diário Oficial da União (DOU).

Sérgio Fontes explicou que todos os delegados de carreira que estão atuando em áreas administrativas na SSP-AM ou ainda lotados em outros órgãos já foram convocados para retornar para a lotação da Polícia Civil e suprir as necessidades. O principal objetivo das medidas é não deixar a população ser prejudicada com essa decisão.

*Com informações da assessoria de imprensa


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.