Publicidade
Cotidiano
CLIMA

Secretário-geral da ONU pede ambição no combate às mudanças climáticas

António Guterres pediu aos países que cheguem a um acordo na Cúpula do Clima (COP24) de Katowice (Polônia) sobre o Acordo de Paris 04/12/2018 às 12:44
Show gelo ac061053 3563 48cb ad2b 059505ba5cbd
Foto: Agência Brasil
Agência EFE Katowice (Polônia)

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o português António Guterres, pediu hoje (4) aos países que cheguem a um acordo na Cúpula do Clima (COP24) de Katowice (Polônia) sobre o Acordo de Paris e que, em seguida, mostrem uma "ambição sem precedentes" para enfrentar o "desafio climático".

Em discurso na COP24, na qual participam 30 mil pessoas de 197 países desde domingo (2) e até 14 de dezembro, Guterres disse que em setembro do ano que vem organizará uma cúpula de líderes em Nova York para avançar nesses objetivos.

"Aqui em Katowice os senhores devem estabelecer o livro de regras. No ano que vem devemos colocá-lo em prática para transformar nossas economias, nossas mentes e nosso futuro", disse o diplomata português.

Guterres insistiu sobre a "enorme escala" do desafio "climático" e ressaltou que os compromissos adquiridos até o momento para reduzir as emissões de gases do efeito estufa não são suficientes para conter o aumento das temperaturas nos limites estipulados, de 1,5 graus centígrados e claramente abaixo de 2 graus.

"Os países devem cumprir seus compromissos, mas também elevar sua ambição. Necessitamos de movimentos claros, não só dos governos nacionais, mas também de outros atores como os governos subnacionais, as empresas e os investidores", disse Guterres.

O secretário-geral da ONU pediu aos líderes mundiais que compareçam à cúpula do ano que vem "não só para informar sobre seus progressos, mas também para indicar seus planos e progressos para elevar sua ambição".

Transformações

A reunião de Nova York também se concentrará na transformação "da economia real", afirmou Guterres, que mencionou as transições necessárias em nível energético e industrial, das soluções baseadas na natureza, da ação em nível local, da melhoria das condições para enfrentar a mudança climática e do financiamento, um empecilho habitual nestas cúpulas.

"Uma genuína transformação da economia real e um aumento real da ambição requerem mudanças fundamentais no financiamento climático. Necessitamos de uma mobilização concertada de recursos e investimentos para conseguir fluxos de financiamentos significativos e previsíveis", disse o secretário-geral da ONU.

Guterres disse que encomendou ao presidente francês, Emmanuel Macron, e ao primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, a tarefa de mobilizar os setores público e privado da comunidade internacional para arrecadar fundos para a luta contra as mudanças climáticas.

100 bilhões de euros anuais

Concretamente, Guterres assinalou que pretende arrecadar os 100 bilhões de euros anuais a partir de 2020 para mitigar as mudanças climáticas e adaptar os países em vias de desenvolvimento.

Esse valor foi estabelecido para o denominado fundo verde, um instrumento que os países industrializados deveriam financiar e que teve uma infinidade de problemas nos últimos anos, entre eles a saída dos EUA do Acordo de Paris (e sua recusa a fornecer recursos).

"A minha cúpula não é um fim em si mesma. É uma ferramenta para alavancar uma ambição, uma transformação e uma mobilização sem precedentes ", disse Guterres.

Publicidade
Publicidade