Publicidade
Cotidiano
POLÍTICA

Segundo turno da eleição vai ocorrer em cinco estados da região Norte

Apenas Tocantins e Acre elegeram seus governadores no primeiro turno da eleição 09/10/2018 às 17:58
Show elei  o 6971574d 3ed3 4a65 b045 57a31d726e1a
Foto: Reprodução/Internet
Antônio Paulo Brasília (DF)

Fechada a apuração e divulgados os resultados das urnas, dois dos sete estados da Região Norte tiveram seus governadores eleitos no primeiro turno realizado no último domingo (7): Tocantins e Acre. Nos outros cinco estados haverá segundo turno e o governador eleito só será conhecido em 28 de outubro. O atual governador Mauro Carlesse (PHS) foi reeleito no primeiro turno, no domingo (7), com 57,39% dos votos válidos. Ele está no cargo somente há 90 dias, desde junho deste ano, quando foi eleito para um mandato-tampão até 31 de dezembro. Assim como no Amazonas, em 2017, em Tocantins também houve eleição suplementar por conta da cassação do governador Marcelo Miranda (MDB).

No Acre, onde o PT foi “varrido do mapa político do estado”, o candidato a governador da oposição, senador Gladson Cameli (PP), venceu em primeiro turno com 53,71% dos votos. O candidato petista, ex-prefeito de Rio Branco e indicado do atual governador Tião Viana, ficou com 34,54% dos votos. O senador Jorge Viana (PT-AC) também não conseguiu a reeleição e perdeu. As duas vagas para o Senado foram preenchidas pelo senador Sérgio Petecão (PSD), que foi reeleito, e pelo ex-deputado Márcio Bittar (PSDB).  Nenhum dos três deputados federais do PT acreano (Angelim, Leo de Brito e Sibá Machado) foi reeleito.

No Amazonas, o segundo turno será entre o jornalista Wilson Lima (PSC), que obteve 33,73%, contra o atual governador Amazonino Mendes (PDT), que ficou com 32,74% dos votos. No Amapá, o governador Waldez Góis (PDT), vai para o segundo turno com o senador João Capiberibe (PSB).  O ex-ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho (MDB), que por pouco não vence em primeiro turno no estado do Pará, com 47,69% dos votos válidos, vai disputar o segundo turno, no dia 28 de outubro com Márcio Miranda (DEM). O candidato democrata ficou com 30,21%. O segundo turno em Rondônia será entre Expedito Júnior (PSDB), que obteve 31,59% dos votos, e coronel Marcos Rocha (PSL), com 23,99%. O senador Acir Gurgacz (PDT) teve a candidatura cassada pelo TRE-RO e mantida pelo TSE. 

Com a derrota da governadora Sueli Campos (PP), que obteve apenas 11,13% dos votos (29.888), o segundo turno em Roraima será disputado por Antônio Denarium (PSL), com 42,27%, e Anchieta Júnior (PSDB), 38,78%.

Militares do Norte

Mais de 70 candidatos com patente militar foram eleitos em todo o país. Na Região Norte, o coronel Marcos Rocha (PSL) disputará o segundo turno ao governo de Rondônia e o coronel Chritóstomo (PSL) foi eleito deputado federal. Entre os 24 estaduais de Rondônia estão Cabo Jhony Paixão (PRB) e Sargento Eyder Brasil (PSL). No Amazonas, foram eleitos deputados federais o delegado Pablo, do PSL, e o capitão Alberto Neto (PRB). A Aleam também contará com dois militares entre os 24 deputados estaduais: Delegado Péricles (PSL) e Cabo Maciel (PR). O Pará elegeu o Delegado Éder Mauro (PSD) para a Câmara dos Deputados e mais três delegados para deputado estadual. Roraima tem dois militares na lista de deputados estaduais confirmados. E, no Acre, apenas o Sargento Cadmiel Bomfim foi eleito entre os candidatos com patentes militares no nome. Amapá e Tocantins não elegeram militares. 

Renovação na Câmara

Foi de 60% a renovação da bancada de deputados federais dos sete estados da Região Norte. Ao todo são 65 vagas, com seis bancadas de oito deputados e a do Pará com 17 parlamentares. A maior mudança ocorreu no Amazonas que somente dois foram reeleitos: Átila Lins (PP-AM) e Silas Câmara (PRB-AM). Outros seis deputados federais estreiam na Câmara, uma renovação de 75%. Acre, Amapá, Rondônia e Tocantins reelegeram três e cinco deputados são novatos (62,5%). Roraima reelegeu quatro e mandou outros quatro novos (50%) e a bancada do Pará manteve oito com mandatos e tem nove estreantes, renovação de 52%.

Senado do Norte tem 71% de renovação

O tsunami da mudança também alcançou os representantes da Região Norte no Senado Federal. Das 14 vagas que estavam em disputa (2/3 das 21 cadeiras dos sete estados), somente quatro senadores conseguiram se reeleger: Sérgio Petecão (PSD/Acre), Eduardo Braga (MDB/Amazonas), Randolfe Rodrigues (Rede/Amapá) e Jáder Barbalho (MDB/Pará). Os eleitores de Rondônia, Roraima e Tocantins trocaram os seus dois senadores.

Os rondonienses não devolveram, por exemplo, mandato de Waldir Raupp (MDB); em Roraima foram derrotados Romero Jucá (MDB) e Ângela Portela (PDT), no Amazonas, Vanessa Grazziotin (PCdoB); no Acre, Jorge Viana do PT também não se reelegeu assim como Flexa Ribeiro (PSDB) do Pará. Os novos senadores nortistas, eleitos para o mandato de 2019-2026 são: Márcio Bittar (PSDB-AC), Plínio Valério (PSDB-AM), Lucas Barreto (PTB-AP), Zequinha Marinho (PSC-PA), Marcos Rogério (DEM-RO), Confúcio Moura (Pode-RO), Chico Rodrigues (DEM-RR), Mecias de Jesus (PRB-RR), Eduardo Gomes (SD-TO) e Irajá (PRTB-TO). 

O quadro político da Região Norte se acentua do ponto de vista conservador principalmente pela derrota do PT do Acre. Há destaques na Câmara dos Deputados para a reeleição do deputado Edmilson Rodrigues (PSOL-Pará) e da líder indígena Joenia Wapichana (Rede-Roraima). 

Publicidade
Publicidade