Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Notícias

Sem espaço para empresários amadores no AM

Corecon-AM chama atenção para o alto número de fechamento de negócios


11/12/2013 às 12:07

O mercado atual não perdoa empresários que não preveem os riscos de sua atividade econômica e a falta de conhecimento desse processo pode aumentar em até 50% o risco de fechamento de um negócio recém-criado.

A afirmação é do presidente do Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon/AM), Marcus Evangelista, que fez um alerta para o número de empresas que fecharam as portas em 2013: 1,4 mil, o que representa uma média de 140 negócios a menos por mês, segundo dados divulgados pela Junta Comercial do Amazonas (Jucea).

Maior
De acordo com Evangelista, o fechamento de empresas no Estado neste ano está maior que nos dois anos anteriores. O percentual de negócios que fecharam as portas, até outubro, é 10% maior que o de 2012, em igual período. Para ele, toda a empresa necessita do suporte oferecido pelo conhecimento técnico de um economista na hora de investir em um negócio.

“Na Consultoria Econômica o profissional poderá orientar o empresário desde a abertura da empresa, passando pelo nicho de atuação e chegando no que talvez seja o mais importante, a formação do preço do produto ou serviço que será oferecido”, explicou Evangelista.

Vida curta
O que se percebe no mercado, segundo o presidente do conselho, são empreendedores que têm uma vida empresarial muito curta, pois não sabem nem se quer definir o preço de venda. “O empresário não leva em consideração os custos fixos e variáveis e acaba colocando qualquer preço no produto. Após cerca de seis meses ou no máximo um ano, não dá o lucro esperado e acaba tendo que fechar as portas”, analisou Marcus.

Antecipação
Para o economista Neuler André, o empresário deve antecipar ao máximo possível os riscos de sua atividade econômica norteando e orientando suas decisões de forma segura através do consultor econômico. “No atual cenário econômico o crescimento de uma empresa em um mundo globalizado depende fortemente da sua tomada de decisão que em sua maioria é definida pela consultoria econômica. Algumas pesquisas apontam que 60% das empresas fecham as portas até o segundo ano de existência por não possuir o conhecimento administrativo necessário”, afirmou.

Assessoramento
Consultor Econômico há 15 anos, Marcello Laredo, destacou alguns benefícios que o empresário pode ter com a assessoria de um especialista na área de Economia, como a redução ou eliminação dos prejuízos financeiros, a maximização do usufruto das melhores condições e oportunidades disponíveis do mercado, usufruto de incentivos fiscais, ou seja, a garantia de que sempre o melhor caminho será buscado, com o compromisso de zelar pela saúde econômica da empresa.

“O Consultor econômico é justamente o profissional que tem uma expertise e que pode dar toda a orientação e suporte ao empreendedor, auxiliando-o nas tomadas de decisões e minimizando os prejuízos financeiros gerados em decorrência de escolhas erradas”, explicou Marcelo.

publicidade
publicidade
Jair Bolsonaro deve escolher ministros do TSE a partir de lista tríplice
Igualdade salarial pode ser requisito para Governo do AM contratar empresa
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.