Publicidade
Cotidiano
Seminário

Seminário reúne profissionais e discute educação no Amazonas

O evento segue até esta quarta-feira (3), e reúne mais de 400 pessoas, entre professores, estudantes e demais atores da educação do Amazonas para debater o tema 02/08/2016 às 10:17 - Atualizado em 02/08/2016 às 10:18
Show 55
O secretário de Educação Básica do MEC, Rossieli Soares da Silva, esteve presente na abertura do evento (Foto: Antonio Menezes)
Silane Souza

Começou nesta terça-feira (2), no auditório Vânia Pimentel, do Centro Universitário Nilton Lins, o seminário sobre a 2ª versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), um dos mais importantes documentos da educação brasileira. O evento segue até esta quarta-feira (3), e reúne mais de 400 pessoas, entre professores, estudantes e demais atores da educação do Amazonas para debater o tema.

Os encontros estão sendo realizado em todos os Estados brasileiros, desde o mês de junho e são organizados pelo Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) e pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), com apoio do Ministério da Educação (MEC).


                                                     (Foto: Antonio Menezes)

O secretário de Educação Básica do MEC,  Rossieli Soares da Silva, esteve presente na abertura do evento e disse que a realização destes seminários dá o caráter participativo primordial a Base. Ele também falou sobre a importância do documento que irá garantir ao aluno de Norte a Sul do país o direito de aprender um conteúdo essencial de conhecimentos e habilidades.

"Hoje é um momento muito importante para discussão da Base. Este documento vem sendo discutido há quase dois anos e estamos chegando perto de uma culminância, ou seja, o Brasil vai dizer quais são os direitos e os objetivos de aprendizagem que as crianças do país têm direito a aprender. Isso é tão importante porque vai nortear os próximos 15 e 20 anos da educação brasileira", disse Rossieli.

Seminário sobre a Base Nacional Comum Curricular

Os encontros estaduais são articulados por uma comissão composta por 15 integrantes de vários segmentos de cada estado. Nessa fase são permitidas alterações, supressões e acréscimos ao texto. Após a rodada de seminários, uma terceira versão do documento será elaborada pelo MEC.

Prevista no Plano Nacional de Educação (PNE), a meta da Base estabelece que a partir de 2018 as diretrizes sejam implementadas nas escolas. Além de atualizar o conteúdo didático e contribuir com a diversidade territorial, o documento trará orientações para a avaliação curricular e a formação de professores atuantes na educação básica.

Publicidade
Publicidade