Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Notícias

Servidores da CMM são remanejados após defender Manausmed

Após baterem de frente com vereadores governistas, servidores da Câmara Municipal de Manaus perdem cargos de confiança


22/04/2015 às 22:53

Quatro servidores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) que se posicionaram contra a extinção do Serviço de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Município de Manaus (Manausmed) — incluído no Projeto de reforma administrativa do Executivo Municipal — foram remanejados de seus setores, na semana passada. Eles classificam a medida como represália. A informação circulou nesta quarta-feira (22) entre parlamentares da Casa, e foi confirmada por uma funcionária que pediu para não se identificar.

“Os boatos não são boatos. Servidores foram remanejados e destituídos de suas funções de confiança por participação no manifesto. As retaliações estão acontecendo”, afirmou a servidora.

A informação é a de que a ordem para as mudanças partiu da presidência da Casa. “Eles foram remanejados porque não poderiam estar em pontos estratégicos, com acesso à informação”, completou a servidora. O presidente da CMM, Wilker Barreto (PHS) nega.

Segundo a servidora, com a transferência, uns terão perda salarial, enquanto uma foi destituída do cargo de diretora. “Foram 196 que assinaram o abaixo-assinado se manifestando contra a extinção do Manausmed, pedindo posição dos vereadores em defesa dos servidores. Todos estão sofrendo retaliações, principalmente os que se expuseram e bateram de frente”, disse, ao ressaltar que prefere não revelar nomes, apenas os setores: Diretoria Legislativa de Comissões e Escola do Legislativo.

publicidade

Os servidores afetados são efetivados e têm de 15 a 30 anos de trabalho na CMM, que tem um quadro funcional com mais de 300 trabalhadores. Um deles, inclusive, estava de férias, mas participou da reunião com os parlamentares para discutir a polêmica sobre a o fim do órgão municipal. “Especula-se na ‘rádio-corredor’, que alguns vereadores cobraram o presidente para que não estivéssemos em pontos estratégicos”, declarou.  “Talvez, por causa do feriado e das matérias que saíram nos jornais, eles deram um freio nos remanejamentos”, ponderou.

A funcionária explicou que, por serem consideradas funções de confiança este tipo de mudança não precisa ser publicado o Diário Oficial Eletrônico da Câmara. Basta o próprio trabalhador ser comunicado. “Pela lei, a função de confiança é de livre nomeação/exoneração sem justificação. Mas é só observar o contexto”, disse, ao defender a categoria. “Sempre tivemos uma postura de respeito e nunca sofremos retaliação dessa forma. Em nenhum momento ofendemos os vereadores, fizemos uma discussão técnica e jurídica”, concluiu.

Governistas negam perseguição

Questionado pelo vereador Plínio Valério (PSDB), na tribuna, o presidente da CMM, Wilker Barreto (PHS), foi enfático. “Eu não misturo as coisas. Gestão é gestão, política é política. Eu gosto do bom debate. Enquanto eu for presidente, essa Casa vai abrir sempre o bom debate. Não tem nenhuma questão pessoal. Os diretores têm autonomia para mexer nos seus setores. Não se pode dar o tom de perseguição política de quem conduz a Câmara de forma bastante aberta”, disse.

O líder do prefeito Artur Neto (PSDB) na Casa, Elias Emanuel (sem partido), demonstrou indignação diante da acusação. “Não há a menor hipótese de perseguição ao servidor dessa Casa. É uma coisa absurda. Eu sou líder do prefeito e vereador da Casa. Vereador Wilker Barreto é o presidente e ordenador de despesas. Não é do nosso caráter perseguir ninguém. É descabida essa denúncia”, declarou.

publicidade
publicidade
Sejusc adota política para incentivar a independência financeira para mulheres
Câmara Municipal deve criar comissão para defender Zona Franca de Manaus
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.