Sexta-feira, 14 de Maio de 2021
Indígenas

Sesai vai ter orçamento de mais de R$ 1,4 bilhão para atendimento médico em aldeias

De acordo com secretário Robson Santos, o orçamento previsto para 2021 vai priorizar a remuneração de trabalhadores da Saúde que atuam de forma permanente nos DSEIs



137290836_10224965553670595_8809456046607233044_o_3C6B131D-17CA-44D8-84ED-51A6C731B88A.jpg Foto: Divulgação
08/01/2021 às 17:45

O titular da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Robson Santos da Silva, anunciou que em 2021 o órgão vai contar com mais de R$ 1,4 bilhão no orçamento para custear atendimentos médicos, desde a baixa até a alta complexidade, nos 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs) ao redor do Brasil.

Ao ser questionado sobre o início da vacinação contra a Covid-19 nas aldeias indígenas, o secretário não disse a previsão mas afirmou que o tema vai ser alinhado com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na próxima segunda-feira (11), dia em que a Comitiva do Governo Federal vem ao Amazonas anunciar investimentos para o enfrentamento da Covid-19 no Estado.



De acordo com secretário, o orçamento previsto para 2021 vai priorizar a remuneração de trabalhadores da Saúde que atuam de forma permanente nos DSEIs, além de dar suporte aos programas desenvolvidos pela secretaria.

O orçamento também vai ser destinado para financiar o transporte de pacientes, que vivem em aldeias distantes, e que precisam receber atendimentos de alta complexidade.

"O grande foco desse ano é o combate da mortalidade materna infantil, além da assistência odontológica e oftalmológica. Estamos buscando parcerias pois funcionamos de forma integrada", afirmou.

A equipe de profissionais que atuam na Sesai é composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, dentistas, auxiliares de saúde bucal, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais, Agentes Indígenas de Saúde (AIS), Agentes de Combate à Endemias (ACE), Agentes Indígenas de Saneamento (AISAN), dentre outros.

O secretário Robson acrescenta que em 2020 os DSEIs situados no Estado do Amazonas contaram com 4.139 trabalhadores de saúde que compõem 173 Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena (EMSI). Segundo ele, houve um incremento de 218 trabalhadores se comparado com o ano de 2019.

A Sesai atua diretamente em sete DSEIs que estão localizados no Alto Rio Negro; Alto Rio Solimões; Manaus; Médio Rio Purus; Médio Rio Solimões e Afluentes; Parintins e Vale do Javari. A população estimada na área é de 184.597 indígenas, distribuídos em 147 etnias e 1.524 aldeias.

O titular da Sesai conta, ainda, que de 1° de janeiro até 15 de dezembro de 2020, foram realizados mais de 11 milhões de atendimentos às comunidades indígenas e, desse total, 3 milhões ocorreram no Amazonas e deixou claro que o órgão prioriza o atendimento aos indígenas que vivem em aldeias.

"Se você é indígena e mora na cidade, você é cuidado pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A ação da Sesai é territorial. Ela está dentro dessas comunidades indígenas", esclareceu.

Com relação às missões Interministeriais, realizadas em parceiria com o Ministério de Defesa e outros órgãos federais, o secretário afirmou que foram um reforço no combate à Covid-19.

"Em dezembro, no Alto Solimões, foram enviados 22 profissionais da Saúde para, reforçar também o atendimento ginecológico, pediátrico e de infectologia. Levamos atendimento de média complexidade para dentro da aldeia", disse.

Mercado de Trabalho

O secretário disse que o órgão também desenvolve programas voltados para a Saúde da mente dos indígenas, e oferece atendimentos psicológicos nas aldeias.

Segundo ele, o índice de suicídio entre os aldeados tem creascido nos últimos anos, porque muitos indígenas não têm perspectiva de vida.

Por conta disso, ele afirmou que vai reunir a partir da próxima semana com representantes de instituições como Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam) para buscar alternativas de inserir os indígenas no mercado de trabalho.

"A ideia não é assistencialista. É de mudar a realidade das pessoas para que sejam donas do seu destino", disse.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.