Publicidade
Cotidiano
economia

Setor de TV por assinatura apresenta suas apostas para retomada do crescimento

Empresas do setor de tecnologia e conectividade criam estratégias e novos produtos para crescer mesmo apesar da crise 09/07/2016 às 16:05 - Atualizado em 10/07/2016 às 19:20
Show oioi
A edição da feira e congresso da ABTA 2016 reuniu 83 stands de empresas dedicadas ao mercado de TV paga e convergência digital (foto: Divulgação/Marcelo Kahn)
Juliana Geraldo *A repórter participou do evento a convite da Oi

Após perder em torno de 500 mil clientes em um período de dois anos e ver a  base de assinantes encolher 2,2% entre abril de 2016 e o mesmo período de 2015, o mercado nacional de TV por assinatura espera recuperar o ritmo de crescimento ainda este ano. Pelo menos foi o que garantiu o presidente da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), Oscar Simões.

Durante a feira  da associação realizada no início do mês em São Paulo, ele disse ver com preocupação a saída de assinantes do modelo, uma vez que essa é a primeira retração anotada pelo setor desde 2001.  “No entanto, o segmento já trabalha em ações para estimular a demanda e nossa expectativa é de que no terceiro trimestre deste ano – entre julho e setembro – devamos parar de “cair” e a partir daí ter o nosso ponto de inflexão, voltando a crescer gradativamente”, aposta o executivo.

Enquanto o segmento está focado  em estudos para estimular o consumo, as próprias empresas também lançam mão de novidades tecnológicas e de serviços para driblar a crise – tanto a interna quanto a externa. +DINHEIRO foi até a feira da ABTA e conversou com representantes de empresas do setor. Eles falaram sobre  lançamentos, estratégias e tendências tanto para o serviço de TV por assinatura, quanto para os  que envolvem banda larga,   convergência, conectividade e serviços sob demanda.

Novidades

Entre as operadoras do mercado  que apresentaram novidades no evento  está a Oi que aproveitou a ocasião para lançar a sua TV por assinatura pré-paga. Nesta modalidade, o  cliente tem a opção de comprar créditos que podem ser partilhados  entre o celular e a TV por assinatura. Os planos podem ser quinzenais ou mensais.

“Identificamos um universo de  1,2 milhão de usuários que tem o receptor de TV (set top box), com disponibilidade para usar o serviço”, destaca o diretor de Varejo da empresa, Bernardo Kos Winik.

Outra aposta são as novas ofertas do plano Oi Total (que pode incluir banda larga, telefonia móvel e fixa e TV por assinatura). O  combo  agora inclui velocidade de 15MB em seus pacotes, sem acréscimo de preço e os pacotes com TV nas modalidades intermediário, avançado e top passam a ter um ponto adicional gratuito. A intenção da empresa, é aumentar a base de assinantes do pacote Oi total de 320 mil para 1 milhão até dezembro.
  
Estratégias   

Mesmo sendo a atual líder de vendas no setor de TV por assinatura e serviços sob demanda, a América Movil - que detém as empresas Claro, Net e Embratel, também diz apostar em estratégias diferenciadas para passar pelo período de turbulência e alavancar os resultados.

Um dos principais investimentos da organização está ligado aos Jogos Olímpicos do Rio. “Faremos a maior transmissão da história dos Jogos Olímpicos", afirmou José Felix, presidente do grupo, durante o evento.

Os investimentos em infraestrutura - que consumiram parte dos R$ 3 bilhões aplicados no País nos últimos três anos - incluem a ampliação da cobertura da rede móvel da Claro, com 97 novas estações de transmissão 3G e 4G, 12 mil pontos de TV por assinatura da NET, 10 mil linhas de telefonia fixa e 8 mil pontos de acesso WiFi.

“Para o mercado residencial, vamos disponibilizar 25 canais HD dedicados à transmissão dos jogos, além das emissoras de TV aberta. Pela primeira vez vai ser possível acompanhar todos os jogos ao mesmo tempo”, complementou o diretor  de marketing da América Móvil no Brasil, Márcio Carvalho. 

 

Publicidade
Publicidade