Publicidade
Cotidiano
Notícias

Setor primário comemora reconhecimento profissional e expõe os méritos do agronegócio

Empresários homenageados pela Federação da Agricultura mostram que o setor primário oferece muitas oportunidades de ótimos negócios 07/12/2014 às 15:45
Show 1
Presidente da Faea, Muni Lourenço, destaca importância do agronegócio como alternativa para o Estado
Camila Leonel Manaus (AM)

O setor primário oferece ótimas oportunidades de negócio para empreendedores qualificados e sem medo de trabalhar. No Amazonas, empresas de sucesso têm seu negócio fincado na agropecuária. É o caso do Café Apuí, que amplia seu mercado ano após ano.

A história da empresa começa em 1963, quando a família de Estevão José Aughinone saiu do Noroeste do Paraná com destino ao município de Apuí (a 453 quilômetros de Manaus). O pai dele recebeu um assentamento do Projeto Rio Juma, do governo federal, que à época objetivava o desenvolvimento da região sudoeste do Amazonas. A família se instalou no assentamento e começou a plantar arroz, feijão, milho e mandioca.

Em meados de 1996, a família decidiu partir para a agricultura permanente e culturas como café e guaraná acabaram se destacando, tanto que Estevão começou a vender o café produzido em feiras e nas portas das casas de Apuí. Hoje, 17 anos depois que iniciou a produção, o Café Apuí, marca do café que é processado e torrado na indústria da família, cresceu utilizando café da espécie Conilon plantado no Amazonas.

“A empresa é familiar. O Café Apuí já abastece outros municípios como Humaitá, Lábrea e o Distrito 180, em Manicoré. São 17 anos de trabalho. Eu comecei com embalagem transparente, depois fiz uma sofisticada e hoje já estamos na terceira embalagem do nosso café”, lembra o empresário. Com o sucesso do negócio, o empresário fechou parcerias com os vizinhos para turbinar a produção. “Eles plantam e eu industrializo o café produzido”, explica.

Reconhecimento

O trabalho de Aughinone foi reconhecido pela Federação da Agricultura do Estado do Amazonas (Faea) na última quinta-feira. O agricultor recebeu a Medalha do Mérito Agropecuário do Amazonas 2014. O título é concedido às personalidades e entidades que trabalham em prol do setor agropecuário no Estado.

Além do Aughinone, também foram homenageados os empresários Jodat Sahdo Júnior, maior produtor de melancia do Amazonas, que se destacou por desenvolver a unidade produtiva em áreas de várzea de 1989 a 2006; Norikatsu Miyamoto, dono da Granja Miyamoto, considerada uma das maiores do Estado; e Sebastião Gardingo, um dos melhores pecuaristas da região por utilizar o método de ponta como FIV (Fertilização in Vitro), TE (transferência de embriões) e IATF (Inseminação Artificial em tempo fixo) melhorando geneticamente o rebanho.

Além dos produtores, o Sindicato e Organização das Cooperativas de Estado do Amazonas (OBC/AM) recebeu o Mérito Agropecuário Dr. Eurípedes Lins pela integração e promoção do desenvolvimento das cooperativas e do cooperativismo no Amazonas.

Faea celebra 60 anos

A solenidade de entrega da medalha do Mérito Agropecuário marcou também os 60 anos da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), que hoje possui cerca de 3,5 mil associados em sua base sindical. Segundo o presidente da federação, Muni Lourenço, “nós celebramos uma data muito especial para a Faea e para os produtores rurais do Amazonas. É com grande alegria que celebramos a força da nossa união e homenageamos produtores rurais que vêm se destacando com competência em segmentos da atividade produtiva rural e conferiremos à OCB/AM o Mérito Agropecuário Eurípedes Lins".

Além das homenagens, foi lançado um selo comemorativo aos 60 anos da instituição e um livro com a história da Faea. Os principais desafios do setor agropecuário no Amazonas são o fortalecimento do setor primário, difusão de novas tecnologias infraestrutura nas vicinais. Entre as conquistas, Lourenço lista a realização da Expoagro, maior feira agropecuária do Estado e mobilizações lideradas pela federação para aprovação do novo código florestal, além da inclusão de produtos amazonenses na merenda escolar.

Publicidade
Publicidade