Publicidade
Cotidiano
COMPORTAMENTO

Poder dos signos: a influência da astrologia na vida amorosa e profissional das pessoas

Tem gente que torce para o filho nascer “mais tarde” por causa dos astros e até empresa que pergunta o signo no processo de seleção de funcionários 12/11/2017 às 15:47 - Atualizado em 13/11/2017 às 09:36
Show 23434917 1757833660913773 6455118839678421881 n
O senso de métodos e organização na empresa, para Dessana Oliveira, remete ao signo de Virgem (conforme símbolo no balão) (Foto: Jair Araújo)
Laynna Feitoza Manaus (AM)

A médica da professora Caroline Souza torceu para que o filho da paciente, o pequeno Antoni, esperasse mais um pouquinho para nascer de Leão, e não de Câncer. A empresária Dessana Oliveira costuma perguntar os signos dos candidatos durante as entrevistas para alguma vaga de sua empresa. O psicólogo Igor Falcão prefere não se relacionar afetivamente com cancerianos por eles serem “sensíveis demais”.

Inclusive, Falcão se identifica tanto com o próprio signo, Gêmeos, que tatuou a constelação de Gêmeos na costela. Para uns, bobagem. Para outros, ciência séria. Independente de tudo, tais casos não estão só nos memes da Internet, mas na vida real, e refletem a ligação das pessoas com a astrologia atualmente e o modo como o tema reconfigurou a maneira de pensar, agir e viver.

“Se ele nascer agora, vai ser canceriano. Canceriano é tenso”, lembra o que ouvia a escorpiana Caroline, 28. Da médica, pedidos para que “conversasse” com a barriga e pedisse para que o filho esperasse um pouco. Souza diz não acreditar piamente em previsões astrológicas, mas diz que valoriza a astrologia. “Eu sempre achei que são tendências ou possibilidades”, pontua. O bebê? Parece ter ouvido as recomendações e veio leonino. 


Equipe de Dessana, astrologicamente diversificada, possui pessoas dos signos de Sagitário, Virgem, Escorpião, Áries, Câncer e Leão (Foto: Jair Araújo)

Já na empresa de Dessana, 36, há varias etapas de processo seletivo. “Na fase de entrevistas, a última coisa que pergunto é o signo do candidato”, conta ela. Na seleção final, o que predomina é a competência dos candidatos, mas ela revela os signos com os quais mais se identifica. “Eu sou de Leão e sou muito sonhadora, então prefiro trabalhar com quem é mais dos signos de Fogo ou Terra, mais pé no chão, como Sagitário, Capricórnio e Virgem”, destaca. Ela diz que pessoas que nascem sob estes signos tendem a ser mais metódicas e organizadas, o que, para ela, facilita o trabalho.

Psicólogo, servidor público e dançarino. O senso multitarefa, segundo Igor Falcão, 27, provém do signo de Gêmeos, no qual possui signo solar e ascendente. Ele sempre buscou aprender mais sobre o tema por meio de livros e Internet. “Sou volúvel, comunicativo, tenho múltiplos interesses” ressalta ele, que vê semelhanças entre a astrologia e os arquétipos de Jung, um teórico da Psicologia. “Os arquétipos trabalham com os deuses gregos, e para cada um há características diferentes, o que também acontece com a astrologia”, explica.

A verdade

Segundo o astrólogo carioca Daniel Paiva, a astrologia é uma técnica e uma linguagem que estuda a relação existente entre o Céu e a Terra. “Ela é considerada a ‘ciência mãe’ por existir indícios de que sua pratica existe desde o período Neolítico se intensificando com o surgimento da Agricultura. Seus fundamentos básicos são os movimentos celestes e de como esses trazem significados para as atividades do homem. E chamada de ‘ciência do tempo’, pois através delas o homem pode colocar ritmo em sua vida cotidiana, criando os calendários por exemplo, e hoje auxiliando no autoconhecimento humano”, pontua.

Com as redes sociais, o interesse das pessoas por astrologia cresceu bastante. Mas a ferramenta também acompanha muita desinformação, superficialidades e conhecimento banalizado e deturpado sobre o tema. Um deles, por exemplo, refere-se a traçar a personalidade de uma pessoa – e a ponderar suas atitudes - somente pelo signo solar. “Esse é o maior equívoco da Astrologia. É impossível você querer tentar definir alguém apenas pelo seu signo solar. Esse comportamento é baseado no Horóscopo de Jornal que é diferente da Carta Natal. O Mapa Astral é um todo, é um desafio vivo, eu digo que ele corresponde ao seu currículo cósmico, ou para quem prefere kármico”, destaca ele.

Ainda de acordo com Daniel, um ariano com Lua em Peixes será completamente diferente de um ariano com a Lua em Capricórnio. “É preciso se analisar todos os planetas, em qual signo estão, o ascendente e as posições da cúspide – as casas do ascendente, suas regências, e principalmente os aspectos. Um sagitariano com sol em conjunção com Saturno não terá as características de aventureiro, viajante como se refere basicamente os manuais astrológicos, por isso a necessidade da interpretação do mapa dentro da sua totalidade, pois assim poderemos ter clareza principalmente das contradições e ambiguidades existentes em cada indivíduo que é singular e único dentro da existência”, assegura o astrólogo.

Astrologia e astronomia

Daniel conta que a astronomia e a astrologia formavam “o casamento mais que perfeito” no passado. “Mas com o advento da Igreja Católica e principalmente com o movimento do Iluminismo elas foram obrigadas a se separar. Até 1666, o conhecimento da Astrologia era ensinado nas faculdades, mas com o desenvolvimento do ‘método científico’ Astrologia que antes era condenada pela igreja como ‘Magia Negra’ seria então menosprezada pelo Iluminismo como mero charlatanismo, crendice popular, superstição. Então, a parte do cálculo é toda baseada na Matemática, na Geometria, ela seria o seu lado científico, e quem cuida desse setor é a Astronomia”, pondera ele.

Já a Astrologia seria a linha filosófica, simbólica, e até poética do movimento dos Astros, que é interpretada pelo homem, segundo Daniel.  “Logo duas pessoas jamais conseguirão interpretar o mesmo quadro de Salvador Dali, jamais conseguirão duas pessoas interpretarem do mesmo jeito as camadas dos textos da Clarice Lispector, nem dois médicos conseguirão analisar da mesma maneira um exame de sangue ou um Raio-X. Logo, A Astrologia, que é uma tradição oral, não foge dessa regra. Dizemos que se o Astrólogo errou uma previsão, a culpa foi tão somente dele, jamais da Astrologia”, acrescenta.

Cura

A astrologia também pode ser usada para auxiliar na cura de doenças. “Há uma frase atribuída a Hipócrates, o pai da medicina, onde ele afirma que um médico sem conhecimento de Astrologia não pode ser considerado um médico. O mapa astral é a representação gráfica do céu no exato momento do seu nascimento. Nele contém pistas dos seus potenciais, e das suas dificuldades, incluindo possíveis debilidades na sua saúde. Ano passado atendi uma cliente que afirmava que não poderia engravidar, pois foi diagnosticado por seu médico que ela era infértil indo totalmente contra o seu mapa natal. Insisti que a mulher poderia sim engravidar, e ainda disse o período em que estaria mais fértil, e aconteceu exatamente como o previsto, a consulente engravidou, e no momento que eu havia apontado”, coloca Paiva.

Muitas pessoas dizem que a astrologia não é uma ciência, ou que é uma “pseudociência”. O que Daniel tem a dizer sobre isso? Segundo ele, a astrologia é uma ciência que pegará seus dados, estatísticas, gráficos e fará uma investigação. “Agora como cada pessoa irá reagir ao conhecimento foge ao seu controle. Dizemos que o ‘mapa não é o território’, ou seja, o Astrólogo interpreta o Mapa Astral, que acima de tudo é um desenho, mas como a pessoa irá vivenciar esse conhecimento dentro do território, se de uma maneira fanática, bitolada, ou se ela vai buscar realizar sua vontade alinhada ‘assim na Terra como no céu’, vai da força de vontade, maturidade e consciência. Tem pessoas que usam Astrologia para justificar suas fraquezas, e têm pessoas que utilizam desse conhecimento para lapidarem suas vidas”, complementa.

Previsões

A astrologia pode prever, de fato, o futuro? O astrólogo defende que sim. “Carl Jung, psicanalista, figura fundamental para o renascimento da Astrologia no ocidente afirma: “quanto mais consciente, mais livre arbítrio, quanto mais ignorante, mais o destino se manifesta”. É possível sim através da Astrologia fazer previsões sobre o futuro. Através dos trânsitos, pode se identificar se a pessoa está num momento propício ao trabalho, estudo, casamento, ou ter filhos, e por aí vai. Mas existe uma lei que é implacável: colhe-se o que plantou. Se o Astrólogo indica que o cliente está num período de contração e dificuldades e ela insiste em continuar a ter os mesmos hábitos e comportamento nocivos ao período ele terá sérios problemas”, alerta ele.

Agora, se a pessoa ouviu tal direcionamento e através do seu discernimento e da sua força de vontade, ela tem o livre arbítrio para tomar as melhores decisões, pondera Daniel. “O Astrólogo sinaliza possibilidades de ganhos, mas se a pessoa que continuar acomodada em sua zona de conforto, nada acontecerá, e nem adianta dizer que o astrólogo errou na previsão. É possível dizer para um cliente, por exemplo, que seu casamento acabou, mas ele tem a sua liberdade de escolha. Porém continuando com a relação, dificilmente ela se transformará, ou evoluirá, os problemas continuarão, ou até se intensificarão. Infelizmente são raros os que possuem força de vontade o suficiente para mudarem aquilo que os incomoda. Astrologia veio para relembrar a humanidade em crise de onde ela veio, quem ela é de fato, e para onde ela dever ir”, completa.

Conhecimento

Daniel Paiva vai ministrar um curso de astrologia com aula inaugural no dia 23 de novembro. O curso tem duração de um ano e acontecerá duas vezes na semana, das 19h às 21h, no Vila Hub Coworking (Av. do Sol, 2, Aleixo. O investimento mensal é de R$ 250 (mensais). “No curso vou ensinar a origem da Astrologia, sua queda e renascimento ao longo da história, Vamos aprender a compreender as correspondências e os mitos de cada planeta e signo. Ensinar a identificar seus símbolos e significados, entender como funcionam as casas, e os aspectos e suas regências. Após essa fase de ‘alfabetização’ irei transmitir as principais técnicas de interpretação”, afirma. Informações: 99386-9080.

O que é o mapa astral?

O mapa astral  mostra a posição correta dos astros e dos signos do Zodíaco em relação à Terra no momento do nascimento de uma determinada pessoa. Exemplo: uma pessoa do signo de Aquário pode ter Vênus localizada em Capricórnio e Lua em Gêmeos. A análise do mapa astral completo pode indicar nossas personalidades, habilidades e os melhores caminhos para chegar aonde queremos.

Publicidade
Publicidade