Publicidade
Cotidiano
TRABALHO

Sindicalizados caem 30,5% e empregadores ou contra própria crescem 22,1% no AM

Apesar da alta no número de pessoas ocupadas, Estado teve baixa de 70 mil filiados a sindicatos entre 2012 e 2017, segundo o IBGE 08/11/2018 às 17:31
Show sindicalizados f7132b98 0d92 4ae4 90a4 371d13b9c6c8
Foto: Agência Brasil
Vitor Gavirati Manaus (AM)

O número de pessoas ocupadas associadas a sindicatos caiu 30,5% no Amazonas nos últimos seis anos. O dado consta na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Contínua (Pnad-C): Características Adicionais do Mercado de Trabalho 2012-2017, divulgada hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, apesar da quantidade de pessoas ocupadas ter crescido 10,2% entre 2012 e 2017, os sindicalizados caíram de 229 mil para 159 mil no Estado, uma baixa de 70 mil pessoas. Em 2012, os sindicalizados correspondiam a 15,8% dos ocupados no Amazonas. Agora, eles são 10% - marca abaixo da média nacional, que é de 14,4%.

Nos últimos seis anos, aumentou em 148 mil a quantidade de ocupados no Amazonas, subindo de 1,4 milhão para 1,59 milhão. O número de homens ocupados aumentou 8% (71 mil) no período, subindo de 887 mil para 958 mil. A alta entre as mulheres foi maior: crescimento de 13,8% (77 mil), saindo de 555 mil para 632 mil ocupadas.

Acompanhando a queda no número de sindicalizados, os não associados cresceram 17,9% no Amazonas entre os seis anos avaliados pelo IBGE, passando de 1,2 milhão para 1,4 milhão de pessoas.

Empregadores e conta própria aumentaram 22,1%

Nos últimos seis anos o número de pessoas ocupadas como empregadores ou por conta própria aumentou 22,1% no Amazonas, seguindo tendência nacional de alta. São 100 mil trabalhadores a mais na modalidade. De acordo com o IBGE, o salto foi de 451 mil pessoas em 2012 para 551 mil no ano passado.

Entre 2016 e 2017, no entanto, o Estado registrou uma leve queda de 2,4% no número de empregadores ou trabalhadores por conta própria (14 mil a menos), ao contrário da média nacional (alta de 2,1%).

Os empregadores ou conta própria que atuam em empreendimentos sem registro no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) eram 88,7% do total da modalidade no ano passado. Entre 2012 e 2017, aumentou em 99 mil o número de ocupados em empreendimentos sem CNPJ no Amazonas, passando de 390 mil para 489 mil.

A quantidade de ocupados em empreendimentos registrados como Pessoa Jurídica se manteve estável no período, aumentando em mil, apesar de ter tido um pico em 2015, quando bateu a marca de 71 mil empreendimentos. Atualmente, são 63 mil contra 62 mil em 2012.

Agricultura e comércio lideram empregos

No Amazonas, a agricultura e o comércio continuam a ser os setores que mais ocupam pessoas (311 mil pessoas cada), seguido pela Administração Pública (304 mil pessoas). Já o setor industrial, ocupa cerca de 160.000 mil pessoas, aparecendo na 4ª posição.

Cai o número de pessoas ocupadas em Manaus

Enquanto o Estado manteve o crescimento no número de pessoas ocupadas, em Manaus o IBGE registrou uma queda de 16 mil pessoas entre 2014 e 2017 – cainda de 894 mil para 878 mil ocupados.

Das 699 mil pessoas ocupadas (exceto os empregados no setor público e os trabalhadores domésticos) em Manaus, no ano passado, 333 mil (47,6%) estavam em empreendimentos de pequeno porte (1 a 5 pessoas). Esse grupo vinha registrando aumento do número de pessoas ocupadas de 2012 (248 mil) até 2016 (341 mil), quando em 2017 apresentou queda (333 mil).

O segundo grupo mais importante é o de empreendimentos com 51 ou mais pessoas, que registrou 230 mil pessoas ocupadas na capital amazonense.

Publicidade
Publicidade