Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
EDUCAÇÃO

Sistema informatizado do Fies volta a funcionar nesta quinta-feira

Em nota, o MEC diz que o Fies conta com um sistema complexo, que envolve cerca de 30 subsistemas, sendo o de aditamento um deles e que os estudantes não serão prejudicados



fies-2017.jpg

Devido a problemas técnicos, o Sistema Informatizado do Fundo de Financiamento Estudantil (SisFies), que está fora do ar, voltará a funcionar amanhã (1º), às 18h, segundo o Ministério da Educação (MEC) e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O prazo para a renovação de contratos, que terminaria hoje (31) foi adiado para o dia 16 de junho.

Em nota, o MEC diz que o Fies conta com um sistema complexo, que envolve cerca de 30 subsistemas, sendo o de aditamento um deles e que os estudantes não serão prejudicados.



A pasta informa ainda que iniciou um processo de desenvolvimento de um novo sistema para o Fies: "a previsão é de que esteja pronto para entrar em funcionamento até o fim de 2018. O novo sistema será integrado e otimizado, melhorando a qualidade dos processos e das informações".

Os contratos do Fies devem ser renovados a cada semestre. O pedido de aditamento é feito inicialmente pelas faculdades e, em seguida, os estudantes devem validar as informações inseridas pelas instituições no SisFies. Cerca de 1,28 milhão de estudantes devem realizar o aditamento neste semestre. Até a manhã desta quarta-feira, 1,05 milhão haviam sido renovados.

No caso de aditamento não simplificado, quando há alteração nas cláusulas do contrato, como mudança de fiador, por exemplo, o estudante precisa levar a documentação comprobatória ao agente financeiro, que são o Banco do Brasil ou a Caixa, para finalizar a renovação. Já nos aditamentos simplificados, a renovação é formalizada a partir da validação do estudante no sistema.


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.