Publicidade
Cotidiano
DICAS

Sociedade Brasileira de pediatria alerta pais sobre presentes de Natal

A primeira orientação é observar se o brinquedo tem selo do Inmetro e se a faixa de idade que consta na embalagem é compatível com a da criança 22/12/2018 às 12:05
Show brinquedos aa6b5c2e 2239 41bc 968e 2854e16a7a49
(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Alana Gandra - Agência Brasil Rio de Janeiro

A Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou esta semana diversas medidas de segurança com que pais devem se atentar na hora da compra dos presentes de Natal. A primeira orientação é observar se o brinquedo tem selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e se a faixa de idade que consta na embalagem é compatível com a da criança.

O segundo o vice-presidente da SBP, Edson Liberal, mesmo tendo tomado essas medidas, o médico aconselha que os pais vejam se o brinquedo não solta nenhuma peça, especialmente se for destinado a crianças de um a três anos de idade. Outra medida importante é adquirir brinquedos vendidos em lojas que tenham controle de nota fiscal, porque facilita que seja um brinquedo garantido.

Para famílias que tenham filhos em idades diferentes, a SBP orienta os pais a conversar com os filhos maiores para que eles se tornem parceiros de modo a evitar que os irmãos menores brinquem com produtos que tenham peças reduzidas.

Armas x brinquedos

Edson Liberal afirmou também que as pessoas devem evitar dar às crianças e adolescentes brinquedos como armas. “O brinquedo tem que ser uma coisa lúdica. Uma arma não se entende como uma coisa lúdica. As pessoas devem ser desestimuladas a comprar armas como brinquedos, porque não estabelecem uma afetividade, uma relação boa com outras pessoas. Então, de preferência, não dar”. Ele descartou também que brinquedos com pontas, como lanças, podem ferir os olhos das crianças e jovens, evoluindo às vezes para problemas como catarata. Tem uma série de contraindicações. “Deve-se evitar.”

Em relação às bicicletas, a recomendação é que as pessoas deem o brinquedo junto com itens de proteção, como capacete, protetores de mão, de cotovelos, de joelhos. “Tem todo um paramento para a criança andar de bicicleta”. Do mesmo modo, ele disse que o espaço onde a criança vai brincar tem que ser o mais seguro possível.

O vice-presidente da SBP disse que brinquedos eletrônicos são bons porque ajudam no desenvolvimento da criança, mas alerta os pais para a necessidade de compartilhar esse momento. “É preciso que haja interatividade. O brincar é fundamental; mas com interatividade junto com pai, com a mãe, ou com uma pessoa da família. Brincar em conjunto. Não deixar a criança isolada com seu brinquedo.”

Riscos

Segundo o Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo (Sinmac), os artigos da linha infantil respondem por 13% dos relatos recebidos entre os anos de 2006 e 2015. Desses, 28% estão relacionados a brinquedos. O Sinmac mostra, ainda, que escoriações e arranhões são as principais lesões causadas por brinquedos, com 18%; seguidos dos cortes (16%) e entorses e sufocamentos, ambos com 8% dos relatos registrados. Entre as partes do corpo mais atingidas, estão a mão, com 19%; o pé (13%); o rosto (11%) e órgãos internos (8%).

Publicidade
Publicidade