Publicidade
Cotidiano
INICIATIVA

Solidariedade: uma moda que pega e muda vidas no Amazonas

Ações sociais se espalham pela capital e interior do Amazonas, mobilizando uma ‘legião’ de voluntários dedicados a fazer o bem a quem precisa 04/09/2016 às 15:13
Show princi
Grupo Cemear atende crianças carentes em Anori, interior do Amazonas / Foto: Divulgação
Silane Souza Manaus (AM)

Eles vivem no contexto de pobreza, vulnerabilidade social e violência, sentenciados a um futuro nada promissor. Mas aprendem a ter sonhos, esperanças e a acreditar que são capazes de ter uma vida diferente. Estamos falando das mulheres, crianças, adolescentes e familiares atendidos pela associação Centro Educacional Missionário Esperança, Amor e Resgate (Cemear), no Município de Anori (a 243 quilômetros de Manaus - ou  seis horas de viagem pelo rio Solimões). 

Criado em 2014, o projeto social oferece intervenções socioeducativas e espirituais com o propósito de causar impactos e provocar transformações na vida das famílias de uma forma geral, como explica a coordenadora do Cemear, Leandra Tomieiro. No local, aulas de complementação escolar e alfabetização são ministradas para 42 crianças e pré-adolescentes. Também são desenvolvidas palestras sobre diversos temas, como saúde, família, drogas e cidadania, além de atividades esportivas, artísticas e culturais.

“A Associação Cemear é um braço social da Igreja Presbiteriana de Anori que se mantém por meio de doações de ofertas (destinadas à manutenção do projeto e assistência social); apadrinhamento de crianças e de itens que podem ser revertidos em dinheiro através de eventos. Também temos voluntários que contribuem com conhecimento, ou seja, vêm de outras regiões darem  aulas, palestras, entre outros”, disse Leandra.

Atividades

Leandra relata que atualmente o Cemear desenvolve três projetos: Inclusão Digital para Mulheres (IDM), que oferece aulas teóricas e práticas de informática básica para mulheres de 25 a 60 anos, Pequeno Cidadão da Floresta (PCD), que desenvolve atividades socioeducativas para crianças e pré-adolescentes de 9 a 14 anos, e Mãos Talentosas, que ensina técnicas artesanais para geração de renda contribuindo para a melhoria da qualidade de vida das famílias das mulheres que fazem o curso. 

Conforme ela, o Cemear é desenvolvido apenas na cidade de Anori, mas o objetivo é  levar as ações também para as comunidades ribeirinhas do rio Solimões. 
 
“Ainda estamos em fase de estruturação. Começamos o projeto em 2014, mas só este ano conseguimos nos formalizar como associação. Então, uma vez que o projeto estiver consolidado e com tudo o que necessitamos, a ideia é levá-lo para as comunidades ribeirinhas do Solimões para que a população dessas regiões também tenha acesso a essas oportunidades. Nosso principal objetivo é levar perspectivas para as pessoas mais vulneráveis”.

Paixão à primeira vista

A solidariedade é algo que contagia. Que o diga a jornalista Priscila Mesquita, que depois de uma viagem a Anori se apaixonou pelo projeto e passou a integrar o “time” de voluntários do Cemear. “No ano passado, em uma de suas passagens por Manaus, a Cláudia Roder e a Leandra Tomieiro (fundadoras do projeto) me falaram a respeito do Cemear e me convidaram para o evento de encerramento anual, em dezembro de 2015. Então viajei para Anori naquele mês e fiquei impactada com o que vi”, contou ela.  

“As crianças vêm de um contexto social preocupante, sem o devido afeto e acompanhamento familiar, mas no Cemear têm a oportunidade de sorrir, brincar, receber afeto e aprender valores e conhecimentos que serão imprescindíveis ao desenvolvimento e à realização de sonhos”, contou Priscila, que é voluntária desde maio deste ano. 
No próximo dia 5, ela vai viajar para a comunidade para finalizar a captação das imagens para um vídeo institucional que está produzindo junto com outros amigos de Manaus, que também são voluntários do Cemear. 
“Nós contribuímos com nosso conhecimento profissional, inclusive estamos com outros projetos em mente”, revelou.
 Um deles, conta Priscila, é levar aulas de inglês para as crianças, mesmo que de curta duração. A ideia é promover um acampamento onde as crianças conversem apenas na língua inglesa, contou ela. “A Igreja Presbiteriana de Manaus já tem esse projeto em funcionamento em municípios como Urucurituba, Presidente Figueiredo, Itacoatiara e na comunidade de Itapé-Açu (rio Amazonas)”, revelou.

Cursos técnicos

Outra aposta do grupo de voluntários é promover pequenos cursos profissionalizantes, com o objetivo de promover a geração de emprego e renda nas comunidades atendidas pelo programa. “Vamos convidar profissionais voluntários que queiram ministrar cursos que ofereçam aos pais outra oportunidade de renda, como noções de eletricidade, agronomia, construção, gastronomia, dentre outras áreas”, disse.

Voluntários para um dia especial

Enquanto voluntários do Cemear “semeiam” solidariedade no interior do Estado, na capital um grupo de amigos pretende proporcionar um dia das crianças  inesquecível a pequenos do bairro Compensa, na Zona Oeste. Os jovens estão promovendo uma campanha para arrecadar brinquedos que serão doados no dia 12 de Outubro, na Paróquia Mãe da Misericórdia. 

Cerca de 105 voluntários do “Projeto Mudadores de Rua” estão envolvidos na campanha. Para um dos membros do projeto e organizador da ação, Magno Corrêa, o principal objetivo é proporcionar um dia diferente para essas crianças carentes. 

“Muitas dessas crianças nunca ganharam um brinquedo. Para elas é muito importante ganhar algo, principalmente nesse dia. Nós estamos nos colocando no lugar delas e imaginado como seria chegar nesse dia e não ganhar nada. É triste até para um adulto, imagina para uma criança”, disse. 

 Além dos presentes, os jovens estão preparando uma programação recreativa para o dia 12. As crianças serão surpreendidas com uma extensa programação que inclui a exibição de filmes infantis, brincadeiras, competições, dança e pintura. “Estamos nos preparando para levar muita diversão, levar alegria, vai ser um dia fantástico, vai ser inesquecível”. 

Para Magno, além dos brinquedos, outro presente será dado sem que muitas delas percebam: afeto. “Acima de tudo nós estamos levando carinho, amor, um abraço”

Corrêa disse que o grupo ainda está precisando de doações. Para doar é só entrar em contato com os jovens, por meio da página “Mudadores de Rua” no Facebook, ou pelos números (92) 98455-2222, 99202-3174 e 99208-8882. “Basta ligar que a gente vai até casa das pessoas ou onde for melhor para elas para pegar essa doação”, disse. 

Colaborou: Alik Menezes

 

Publicidade
Publicidade