Publicidade
Cotidiano
Notícias

STF mantém prisão do ex-prefeito de Coari Adail Pinheiro

Acusado de chefiar uma quadrilha que explorava sexualmente crianças e adolescentes, ele está preso em Manaus desde o dia 8 de fevereiro de 2014 e responde a pelo menos 70 processos na Justiça estadual 02/06/2015 às 16:27
Show 1
Adail está preso desde fevereiro de 2014
André Richter - agência brasil Brasília (DF)

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve nesta segunda-feira (2) a prisão preventiva do ex-prefeito de Coari (AM) Adail Pinheiro (PRP), acusado de chefiar uma quadrilha que explorava sexualmente crianças e adolescentes.

Por unanimidade, os ministros entenderam que a Justiça do Amazonas justificou corretamente a manutenção da prisão. A defesa de Pinheiro alegou ilegalidade da prisão e a incompetência do juiz que decretou a medida.

Adail Pinheiro é réu em pelo menos 70 processos que tramitam na Justiça do Amazonas. Os processos estão parados à espera de julgamento, suscitando a hipótese de ele ser beneficiado por juízes.

Em 2006, a Polícia Federal passou a investigá-lo devido a indícios de desvio de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

As denúncias de pedofilia começaram a aparecer nessas investigações, em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça. A apuração do caso resultou na chamada Operação Vorax, cujo relatório foi divulgado em 2008. Menos de um ano depois o ex-prefeito foi preso.

Em agosto de 2013, Pinheiro prestou depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes da Câmara dos Deputados.

A defesa do ex-prefeito considera mentirosas as denúncias de que ele comandava uma rede de exploração sexual de crianças e de que abusou sexualmente de meninas em Coari. Ele garante jamais ter mantido qualquer tipo de relacionamento com as pessoas que o acusam.

Publicidade
Publicidade