Publicidade
Cotidiano
Saúde

Susam aproveitou a crise para atualizar estratégias da saúde no AM

Com a transformação de quatro Caics, que funcionavam 24 horas, em Ubs's de horário ampliado (até 22h), haverá uma redução no número de plantões dos profissionais 22/05/2016 às 15:25 - Atualizado em 22/05/2016 às 19:42
Show 1086044
Hospital Francisca Mendes será ampliado e ganhará mais 60 novos leitos (Arquivo AC)
Gerson Severo Dantas

O Secretário de Estado da Saúde, Pedro Elias, explicou que o reordenamento da saúde foi ocasionado pela crise, mas também pela mudança no perfil etário da população de Manaus, que hoje está mais velha. Com as medidas, haverá uma economia R$ 316 milhões.

Com a transformação de quatro Centros de Atenção Integral à Criança (Caics), que funcionavam 24 horas, em Unidades Básicas de Saúde de horário ampliado (até 22h), haverá uma redução no número de plantões dos profissionais contratados junto a empresas de serviços médicos, de enfermagem e de serviços como limpeza, que geram economia mas, ao mesmo tempo, oferecem mais serviços à população.

 “Nos Caimis (centros de atenção ao idoso), por exemplo, você encontra só profissionais que cuidam do idoso. Eles serão transformados em policlínicas e lá a população encontrará várias outras especialidades”, diz Pedro Elias.

Outra preocupação foi fazer um novo desenho territorial, pois, conforme Pedro Elias, havia zonas de Manaus em que só o governo do Estado mantinha 12 tipos de estruturas de saúde diferentes. “Elas agora serão integradas, talvez o paciente não encontre uma unidade ao lado da casa dele, mas o serviço estará disponível em outra parte do bairro e com mais profissionais”, explica.

Pedro Elias também informou que será necessário negociar com as empresas que prestam serviços de saúde valores totais dos contratos e no final a Susam espera economizar até R$ 30 milhões. Outros cortes são com fornecedores e terceirizados de áreas meio.

Ele explicou também que o Estado não vai abandonar a atenção básica de saúde, obrigação constitucional da Prefeitura de Manaus. “Vamos continuar ajudando a prefeitura, mas nosso foco será a urgência e emergência, atenção oncológica, transplantes e cirurgias. O hospital Francisca Mendes, por exemplo, terá mais 60 leitos agora”, disse.

Publicidade
Publicidade