Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
Notícias

Suspeito de envolvimento na morte de policial em Maués some e irmã acusa PM de executá-lo

Douglas da Cruz Fernandes, 21, é considerado como um dos suspeitos de participação no assassinato do PM Ronaldo Silva da Costa, 31. Polícia nega sequestro de jovem e diz que nenhum corpo foi encontrado



1.jpg O caso está acontecendo no município de Maués, distante a 276 quilômetros de Manaus
12/02/2015 às 17:06

Uma mulher residente de Maués (município distante 286 km de Manaus), acusou nesta quarta-feira (11) policiais militares de entrarem na casa de seu pai e sequestrarem seu irmão, suspeito de envolvimento no assassinato do policial Ronaldo Silva da Costa, morto na madrugada desta quarta-feira (11).

Alciane da Cruz Fernandes, de 43 anos, disse para diversos veículos de comunicação que, por volta das 6h, policiais entraram na casa do pai, Haroldo Fernandes, e levaram Douglas da Cruz Fernandes, de 21, para uma das estradas próximas ao município, onde teriam supostamente torturado e matado o rapaz.



De acordo com autoridades do município, Douglas é considerado pela polícia como um dos suspeitos de ter envolvimento na morte do PM Ronaldo, mas sua irmã alega que ele estava dormindo na hora do ocorrido e que, logo, não poderia ter cometido o crime.

Polícia nega

O delegado do município, Rafael Schmidt, disse que recebeu a denúncia de que Douglas teria sido morto mas que isso não foi confirmado. O capitão Marcos Pires, da 10ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), também afirmou saber da denúncia do sequestro de Douglas, mas também não confirmou o ocorrido. "Se isso aconteceu, não foi uma ação oficial da PM", disse Marcos, acrescentando que nenhum corpo foi achado até o momento.

Ele conta que a corporação foi acionada por volta das 17h para averiguar um encontro de cadáver na estrada do Pupunhal, que liga as zonas urbana e rural de Maués, e que, na ocasião, os policiais militares foram acompanhados da família de Douglas e de um representante dos Direitos Humanos até o local onde foi dito que o corpo estaria, mas que nada foi encontrado.

O delegado Rafael confirma que Douglas é suspeito no caso da morte do PM, bem como outros dois homens, identificados até o momento somente como "Júnior" e "Mateus", e que os três são considerados foragidos, já que não foram encontrados ao longo desta quarta-feira.

Ele informou, ainda, que a amante que Ronaldo teria visitado, identificada até o momento somente como "Lorraine", não foi encontrada para ser ouvida. Segundo a Polícia Civil, encarregada das investigações, "Junior" é o atual namorado de "Lorraine" e suspeito de ser o principal executor do crime, e Douglas é tio da moça.


PM Ronaldo Silva da Costa

Entenda o caso

O policial militar Ronaldo Silva da Costa, 31, foi morto a tiros e a golpes de terçado na madrugada desta quarta-feira em Maués. Ele era casado e seria pai nos próximos meses. Após brigar com a companheira grávida, Ronaldo teria ido atrás de uma antiga amante e acabou caindo em uma emboscada.

Segundo testemunhas, Ronaldo foi visto bebendo com duas amigas em um bar, uma das quais era uma antiga amante do PM. Horas depois, por volta das 2h, ele estava sozinho em um posto de combustível na rua Pescador, no conjunto Vinte e Cinco do bairro Mario Fonseca, área conhecida por ser dominada pelo tráfico de drogas em Maués.

Nesse local, o PM foi surpreendido pelos três homens armados com revólveres e facões, ques atiraram e golpearam Ronaldo várias vezes. O PM foi alvejado na coxa, na mão e no crânio – um tiro atingiu o queixo e depois perfurou a cabeça. Ronaldo ainda foi golpeado com terçado duas vezes na cabeça e golpeado uma vez no rosto com uma estaca antes de morrer.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.