Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Notícias

Taxistas burlam leis no Aeroporto Eduardo Gomes de Manaus

Equipe de A CRÍTICA flagrou na manhã desta sexta-feira (20) várias irregularidades cometidas pelos motoristas de táxis executivos no aeroporto



1.gif Mesmo com vagas no espaço destinado aos táxis, um motorista da coperativa preferiu estacionar e aguardar pelo cliente em uma vaga de idosos, na frente do portão de desembarque do aeroporto
21/02/2015 às 09:50

Taxistas cooperados que trabalham no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes cometem, diariamente, irregularidades na área de embarque/desembarque do local: param em filas duplas, embarcam passageiros em vagas para deficientes e trafegam acima dos 30 quilômetros permitidos para a área.

A equipe de A CRÍTICA passou duas horas da manhã de ontem no aeroporto e flagrou várias irregularidades cometidas pelos motoristas de táxis executivos. Mesmo com vagas no espaço destinado aos táxis, um motorista preferiu estacionar e aguardar pelo cliente em uma vaga de idosos, na frente do portão de desembarque.



Outros dois taxistas pararam os automóveis em duas faixas, no meio da pista e começaram a conversar, atrapalhando o fluxo de veículos no local. “Eu trabalho aqui e presencio absurdos todos os dias. Eles ficam desesperados para pegarem os clientes e acham que são os donos da pista”, disse um funcionário do aeroporto, que preferiu não ter o nome divulgado.

A empresária Joelma Pantoja, 47, reclamou do excesso de velocidade dos motoristas. “Sempre estou viajando e quase sempre preciso usar o táxi do aeroporto. Existem motoristas que são super gentis e educados, mas outros dirigem em alta velocidade. Acho que é para dar tempo de voltar ao aeroporto e pegar outro passageiro”, relatou.

Três empresas atuam no Aeroporto Eduardo Gomes: Coopertaxi, Vitotaxi e Táxi Manaus. O presidente da cooperativa Coopertaxi, Francisco Damasceno, informou que na parte superior do aeroporto existem 140 vagas destinadas aos taxistas. Na área de desembarque, apenas 12 podem estacionar.

“Temos 12 vagas específicas e o taxista pode pegar uma multa e ser advertido pela própria cooperativa se for flagrado parando em locais proibidos. Hoje (ontem) suspendemos dois motoristas que estavam discutindo embaixo da marquise”, comentou.

Ainda segundo Damasceno, a cooperativa preza pela disciplina e tem conhecimento das irregularidades de alguns dos cooperados. “Procuramos atender da melhor maneira possível. Ainda existe muita reclamação de cliente que diz que é mal atendido e muitos querem o carro na porta do aeroporto, mas procuramos trabalhar e orientar os motoristas para que façam o trabalho de maneira correta”, completou.

Falta transporte público e ‘táxi é caro’

Um dos problemas que os passageiros enfrentam ao chegar em Manaus é a falta de opção de transporte público, principalmente durante a madrugada, quando as linhas são interrompidas. Hoje apenas duas linhas passam pelo Aeroporto Internacional Eduardo Gomes: 306 (que vai até o Terminal 1, na Avenida Constanstitno Nery, Centro) e 059 (com parada no Terminal 3, no bairro Cidade Nova, Zona Norte).

De acordo com a vendedora Camila Menezes, 27, os ônibus passam em um intervalo de no mínimo uma hora. “Às vezes demora mais que uma hora e não temos outra opção a não ser esperar”, lamentou.

Mais caro que SP e RJ

A jornalista Mariana Lima também reclamou do preço dos táxis e da falta de ônibus. “Em um ano e meio tive que pagar um valor alto porque meu voo chegou de madrugada e não tinha outra opção”.

Se Mariana fosse pagar o valor cobrado pelo taxímetro até a casa dos pais dela, no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Sul, a corrida seria estimada em R$ 28,54 na bandeira 1 e R$ 36,36 em bandeira 2 (um trajeto de nove quilômetros). “Nunca paguei menos de R$ 70. Já cheguei a pagar mais caro em Manaus do que indo do Aeroporto Internacional de São Paulo, que fica em outra cidade (Guarulhos) para o bairro Consolação, na capital de SP”, contou.

No Rio de Janeiro, a bandeira única custa R$ 59,02. Um percurso de 15 quilômetros em um táxi convencional , do Aeroporto Internacional Santos Dumont, na Zona Sul, até o bairro Méier, na Zona Norte, sai por aproximadamente por R$ 35,64 na bandeira 1 e R$ 41,46, na bandeira 2.

Os valores utilizados para cálculo dos trajetos de Manaus são: bandeirada de R$ 4,00. Quilômetro rodado de R$ 2,40 (bandeira 1) e R$ 3,20 (bandeira 2).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.