Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020
Notícias

TIM alega que promoção suspensa pela Anatel não causa instabilidade na rede

Depois da suspensão pela Anatel da promoção Infinity Day, a TIM divulgou comunicado desta sexta-feira (16) alegando que a oferta não tem nenhum potencial para causar instabilidade na rede celular



1.jpg 30 milhões de unidades do GALAXY S III são vendidas em cinco meses

Depois da suspensão pela Anatel da promoção Infinity Day, a TIM divulgou comunicado desta sexta-feira (16) alegando que a oferta não tem nenhum potencial para causar instabilidade na rede celular. Segundo a empresa, a modalidade já foi aplicada em uma área de testes no Rio Grande do Sul, sem provocar o problema.

O Infinity Day foi suspenso pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) por entender que a promoção poderá causar instabilidade na rede de serviço móvel pessoal e prejuízo à qualidade da prestação do serviço aos usuários da TIM. O plano permite a realização de chamadas locais ilimitadas pagando R$ 0,50 por dia.



A TIM argumenta que as demais operadoras de telefonia móvel já oferecem promoções regionais muito mais agressivas e continuam a comercializar esses serviços normalmente. Segundo a empresa, a promoção Infinity Day foi comunicada dois dias antes em veículos de larga circulação, conforme regulamentação em vigor.

“Além disso, detalhadas evidências técnicas e mercadológicas foram já protocoladas na Anatel; desde 12 de novembro, os diretores da TIM estão prontos para uma reunião presencial de esclarecimento em Brasília, sem terem sido atendidos até o momento”, diz a nota.

A empresa considera que a promoção quebra um paradigma para o amplo acesso dos consumidores de telefonia móvel. “São certas as perdas ocasionadas para cerca de 12 milhões de consumidores finais, que não poderão se beneficiar dessa promoção inovadora”. Segundo a empresa, o plano de melhoria da TIM aprovado pela Anatel em agosto já previa o desenvolvimento da oferta.



Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.