Publicidade
Cotidiano
Saúde

Tranquilidade marca primeiros dias da campanha de multivacinação em Manaus

Ação vai até o próximo dia 30 e o “Dia D” será no sábado, dia 24; clima é tranquilo nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) 21/09/2016 às 05:00
Show vacinacao
A dona de casa Jucilene Rodrigues de Souza com o pequeno Pedro, após ele tomar a vacina / Foto: Clóvis Miranda
Paulo André Nunes Manaus

Com a Campanha Nacional de Multivacinação tendo iniciado no começo da semana, e estando a todo vapor na capital e interior, alguns pais e responsáveis estão se antecipando e não deixando para a última hora a vacinação de suas crianças e adolescentes. A campanha vai até o próximo dia 30 e o “Dia D” será no próximo sábado, quando todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) estarão abertas participando da campanha, que visa à atualização do cartão de vacina das crianças e adolescentes, na faixa etária que compreende os menores de cinco anos de idade e os de nove a 15 anos incompletos.

Segundo a chefe da divisão de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Izabel Hernandes,  a movimentação nestes dois primeiros dias da campanha foi normal tendo em vista que as doses que estão sendo aplicadas são de “vacinas de rotina e não geram alteração de fluxo”, e que a maior frequência de público deve ocorrer no sábado, quando ela  espera um movimento maior. “Só não podemos fornecer uma estimativa de público que vai se vacinar pois essa campanha não tem uma meta a se alcançar, e sim visa a atualização do cartão de vacinação das crianças e adolescentes”, garante a chefe de divisão.

No ano passado, mais de 200 mil doses de diversas vacinas foram aplicadas em todo o Estado. Neste ano, o Ministério da Saúde disponibilizou 600,9 mil doses.

Ontem, a dona de casa Jucilene Rodrigues de Souza, 34, levou o pequeno Pedro Samuel, de apenas 3 meses, para tomar as doses de meningocócica (cujas primeiras doses são destinadas a crianças de 3 a 5 meses) e pneumocócica (que é administrada em duas doses, aos 2 e 4 meses, com um reforço preferencialmente aos 12 meses, que pode ser recebido até os 4 anos).

O local foi a Unidade de Saúde Básica da Família  S43, localizada na rua Campos do Jordão em Petrópolis, Zona Sul, Unidades Básicas de Saúde que está aplicando as vacinas. Em Manaus, além das UBSs da prefeitura, a vacinação também está sendo realizada nos 12 Centros de Atenção Integral à Criança (Caic) do Governo do Estado, no horário de funcionamento normal, de 8h às 17h.

“O mais importante é a saúde do meu filho, e campanhas como essas visam o melhor para as crianças. Por isso eu vim vacinar logo o meu filho. O certo é prevenir das doenças. É preciso”, disse a moradora, que mora próximo à UBS, em Petrópolis, e tem mais três filhos além de Samuel, todas mulheres, de 17 anos, 14 e 11. “Tenho que levar as meninas de 11 e 14 para vacinar também. Quero vir aqui no dia 24 (no dia D da campanha)”, informa ela.

A vacina no pequeno Pedro Samuel foi aplicada pela técnica de Enfermagem Josiane dos Santos da Cruz, que falou do movimento tranquilo daquela UBS. “De início a movimentação está bem fraca nesse segundo dia. Agora que as pessoas começaram a vir, as mães. Nossos agentes de saúde vão muito nas casas dos nossos pacientes, das nossas crianças, então é difícil a gente ter um cartão de vacinação atrasado”, fala a técnica, sobre a Unidade Básica de Saúde que existe há 16 anos.

Josiane Cruz - Técnica de Enfermagem
 Todas as nossas campanhas de intensificação são mais para as crianças fora da nossa área de cobertura. Com as nossas  mesmo é muito difícil pegar um cartão atrasado. Elas são muito presentes nesta UBS de Petrópolis. A tendência é a frequência de pessoas aumentar  nos próximos dias. “Eu espero que os pais, os tios, irmãos, se conscientizem que as crianças precisam se vacinar, precisam se imunizar. Temos vacinas disponíveis. As meninas de 11 a 14 anos, que ainda não tomaram a hpv, podem nos procurar que temos disponíveis todas as vacinas. Estamos aguardando”, alerta Josiane, que se preocupa com a irregularidade da vacinação por parte de pais e responsáveis.

“Há algum tempo fomos aqui no bairro São Sebastião realizar uma campanha da Geometíase e Hanseníase, e ‘pegamos’muitos cartões atrasados. E constatamos muitas meninas que não tomaram o hpv”, salienta a técnica de enfermagem.

 

Publicidade
Publicidade